Europa deve defender os valores dos direitos humanos e a democracia, afirma chefe da ONU

Em visita a Estrasburgo, França, Ban Ki-moon declarou que as Nações Unidas estão fazendo de tudo para salvar vidas e trazer a paz.

Secretário-geral da ONU Ban Ki-moon se dirige à Assembleia Parlamentar do Conselho da Europa. Foto: ONU/Eskinder Debebe

Secretário-geral da ONU Ban Ki-moon se dirige à Assembleia Parlamentar do Conselho da Europa. Foto: ONU/Eskinder Debebe

Com desafios globais proliferando do Iêmen ao Sudão do Sul, as Nações Unidas e a Europa devem se unir na luta para defender a democracia e a solidariedade internacional, declarou o secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon, nesta terça-feira (23) em um discurso arrebatador que tocou em questões que vão desde a ascensão do extremismo violento à ameaça das alterações climáticas.

“A ONU está fazendo tudo que pode para salvar vidas e trazer a paz, sempre que possível. Ela está trabalhando para garantir a prestação de contas para todos”, afirmou Ban ao Conselho da Europa em Estrasburgo no início da manhã. “Os crimes que chocam nossas consciências não ficarão impunes”.

Entretanto, continuou Ban, a participação ativa da Europa na defesa dos direitos da sociedade civil, aliviando as pressões da crise migratória global, confrontando a propagação do extremismo violento virulento, e trabalhando para um futuro sustentável para todos, é necessária agora mais do que nunca. “Por esta razão, insto todos a reforçarem sua parceria com as Nações Unidas”, acrescentou.

Embora a democracia esteja em ascensão em todo o mundo, o chefe da ONU observou que as instituições democráticas em muitas partes do mundo ainda estão sendo corroídas à medida que a independência judicial e a liberdade de imprensa estão sob ataque. Em muitos casos, disse ele, o espaço para a sociedade civil – um eixo central das muitas democracias europeias modernas – está desaparecendo: mais de 50 países, inclusive na Europa, aprovaram cerca de 100 leis que restringem as operações e financiamento de organizações não-governamentais (ONGs).