EUA precisam ouvir demandas de manifestantes para superar história de racismo e violência, diz ONU

As vozes que pedem o fim do “racismo endêmico e estrutural que arruína a sociedade norte-americana” precisam ser ouvidas e compreendidas, para que o país supere sua “história trágica de racismo e violência”, disse a chefe de Direitos Humanos da ONU na quarta-feira (3).

Em todos os momentos, mas especialmente durante uma crise, “um país precisa de seus líderes para condenar o racismo de forma inequívoca”, destacou Bachelet.

Ela disse que as autoridades ​​também devem “refletir sobre o que levou as pessoas ao ponto de ebulição; ouvir e aprender; e agir de forma a realmente combater as desigualdades”.

Este slideshow necessita de JavaScript.

As vozes que pedem o fim do “racismo endêmico e estrutural que arruína a sociedade norte-americana” precisam ser ouvidas e compreendidas, para que o país supere sua “história trágica de racismo e violência”, disse a chefe de Direitos Humanos da ONU na quarta-feira (3).

“As vozes que pedem o fim dos assassinatos de afro-americanos desarmados precisam ser ouvidas”, disse a alta-comissária da ONU para os Direitos Humanos, Michelle Bachelet, em comunicado. “As vozes que pedem o fim da violência policial precisam ser ouvidas”.

Os protestos começaram em 25 de maio, depois da divulgação de um vídeo mostrando um policial branco na cidade de Mineápolis ajoelhado no pescoço do afro-americano George Floyd, de 46 anos, por mais de oito minutos, causando sua morte sob custódia policial.

Na semana passada, dezenas de milhares de manifestantes tomaram as ruas de mais de 300 cidades dos Estados Unidos, bem como de outros grandes centros urbanos do mundo, para participar de protestos majoritariamente pacíficos pedindo justiça racial. Em alguns casos, houve caos nas ruas, com saques, derramamento de sangue e táticas violentas de policiamento.

É preciso condenar o racismo de forma inequívoca

Em todos os momentos, mas especialmente durante uma crise, “um país precisa de seus líderes para condenar o racismo de forma inequívoca”, destacou Bachelet.

Ela disse que as autoridades ​​também devem “refletir sobre o que levou as pessoas ao ponto de ebulição; ouvir e aprender; e agir de forma a realmente combater as desigualdades”.

Notícias confiáveis ​​revelaram o uso desnecessário e desproporcional da força por policiais, incluindo o uso indiscriminado de armas e munições menos letais, disse Bachelet.

Gás lacrimogêneo, balas de borracha e gás de pimenta foram disparados contra manifestantes e jornalistas pacíficos, em alguns casos, quando eles já estavam em retirada.

Houve pelo menos 200 casos relatados de jornalistas que cobriam os protestos e foram fisicamente atacados, intimidados ou presos arbitrariamente, apesar de terem apresentado suas credenciais de imprensa, de acordo com o Escritório do Alto Comissariado da ONU para os Direitos Humanos (ACNUDH).

A chefe de direitos humanos da ONU sinalizou que houve “um ataque sem precedentes a jornalistas”, dizendo que em alguns casos eles foram atacados ou até presos durante transmissões.

“É ainda mais chocante, considerando que a liberdade de expressão e da mídia são princípios fundamentais nos EUA, fundamentais para a identidade do país”, disse Bachelet. “Exorto as autoridades de todos os níveis a garantir que a mensagem seja claramente entendida – os repórteres devem poder fazer seu trabalho importante, livre de ataques ou repressão”.

Onda de violência

Com registro de mortes e ferimentos entre manifestantes e policiais, a alta-comissária da ONU repetiu seus apelos aos manifestantes para expressarem pacificamente suas demandas por justiça, e pediu que a polícia “tome o máximo de cuidado para não inflamar a situação”.

“Violência, saques e destruição de propriedades e bairros não resolverão o problema da brutalidade policial e da discriminação arraigada”, disse ela, pedindo investigações independentes e transparentes.

Bachelet também manifestou preocupação com as declarações que rotulam os manifestantes de terroristas ou deslegitimam manifestações pacíficas, dizendo que “não pode haver dúvida sobre o que ou quem está por trás desses protestos”.

Ela lembrou os “milhares de manifestantes pacíficos”, bem como policiais e tropas da Guarda Nacional, que responderam sem recorrer à violência, agindo com contenção.

Quebrar ciclo de impunidade

A raiva nos EUA, em erupção quando a COVID-19 expõe desigualdades gritantes na sociedade e após a perda de mais de 100 mil vidas devido a uma doença mortal, ilustra por que “são necessárias reformas de longo alcance e diálogo inclusivo” para interromper o ciclo de impunidade para assassinatos policiais ilegais e preconceito racial no policiamento, disse Bachelet.

Além disso, ela defendeu a necessidade de “um exame profundo” de questões abrangentes, incluindo fatores socioeconômicos e discriminação estrutural.

“Para seguir em frente”, concluiu a chefe de direitos humanos da ONU, “as comunidades devem poder participar da definição de decisões que as afetem e poder expor suas queixas”.