Estudo da ONU alerta que 450 mil refugiados sírios na Jordânia estão lutando para sobreviver

Aumento do preço de alugueis, condições de habitação inadequadas e desafios educacionais para seus filhos são alguns dos desafios enfrentados pelos refugiados sírios que escaparam dos horrores em seu país.

Aumento do preço de alugueis, condições de habitação inadequadas e desafios educacionais para seus filhos são alguns dos desafios enfrentados pelos refugiados sírios que escaparam dos horrores em seu país.

Uma mãe síria e seus filhos chegam no porão arruinado em que moram em Amã, capital da Jordânia. Foto: ACNUR

Uma mãe síria e seus filhos chegam no porão arruinado em que moram em Amã, capital da Jordânia. Foto: ACNUR

Através de um estudo realizado pela Agência da ONU para Refugiados (ACNUR) e a ONG IRD (International Relief and Development) constatou-se que cerca de 450 mil sírios que foram forçados a buscar refúgio na Jordânia estão enfrentando uma recente crise humanitária e lutando para sobreviver fora dos acampamentos para refugiados do país.

Baseado em 92 mil entrevistas, conduzidas em visitas domiciliares entre 2012 e 2013, o relatório reflete uma preocupação crescente: com a crise síria entrando em seu quarto ano, muitos refugiados não conseguirão mais lidar com a situação.

“Depois de escapar dos horrores em seu país, centenas de milhares de sírios encaram uma segunda crise no seu local de refúgio”, disse o representante do ACNUR na Jordânia, Andrew Harper.

“Refugiados sírios na Jordânia estão pendurados por um fio lutando para manter um teto sobre suas cabeças e dinheiro suficiente para sobreviver”, alertou Harper, chamando atenção para os desafios enfrentados no aumento do preço de alugueis, condições de habitação inadequadas e desafios educacionais para seus filhos.

Segundo o estudo, mais de 90% dos refugiados na Jordânia vivem em acomodações alugadas e, em alguns locais, os aluguéis para os sírios subiram em até 25% de 2012 para 2013.

Os aluguéis representam quase dois terços dos gastos dos refugiados e têm se tornado uma preocupação primária para o seu bem-estar. O estudo também alerta que 61% das crianças sírias avaliadas no estudo não foram à escola durante o período de 2012-2013, enquanto 5% das crianças relatadas abandonaram seus estudos.

Quase quatro em cada cinco refugiados sírios na Jordânia vivem fora dos acampamentos formais mas recebem, no entanto, apenas uma fração da atenção internacional dada ao campo de Za’atari, na região norte da Jordânia.

O relatório aponta que seus recursos estão acabando e muitas famílias estão recorrendo a “mecanismos de enfrentamento negativos” para conseguir se manter, muitas vezes colocando-se em risco de exploração.

“Crianças sírias já perderam seu passado. Não podemos deixar uma geração perder seu futuro”, disse Harper. “Às crianças sírias na Jordânia devem ser dadas habilidades para reconstruir a si mesmas e o futuro do seu país.”

Apoie os refugiados sírios clicando aqui.