Estudo analisa eficácia das transferências de renda para pôr fim à Aids na África Subsaariana

Em artigo recém-publicado pelo Centro Internacional de Políticas para o Crescimento Inclusivo (IPC-IG), pesquisador questiona a eficácia dos programas de transferência de renda voltados à população economicamente vulnerável no controle da epidemia de Aids na África Subsaariana.

Por muito tempo, o alto nível de infecção pelo HIV na região foi atribuído à pobreza sistêmica, o que impulsionou a criação de programas de transferência de renda destinados à população mais pobre. Para Arruda, estes programas são importantes para melhorar a qualidade de vida dos doentes em situação de pobreza, mas também é preciso focar na prevenção entre os mais ricos para alcançar resultados expressivos.

Por muito tempo, o alto nível de contaminação pelo HIV na África Subsaariana foi atribuído à pobreza sistêmica, o que impulsionou a criação de diversos programas de transferência de renda destinados à população mais pobre. Na foto, uma menina espera para receber água na República Democrática do Congo. Foto: UNICEF / Olivier Asselin

Por muito tempo, o alto nível de contaminação pelo HIV na África Subsaariana foi atribuído à pobreza sistêmica, o que impulsionou a criação de diversos programas de transferência de renda destinados à população mais pobre. Na foto, uma menina espera para receber água na República Democrática do Congo. Foto: UNICEF / Olivier Asselin

Estudos recentes mostram que o número de pessoas vivendo com a Aids na África Subsaariana é maior em grupos com melhores condições socioeconômicas. De acordo com o pesquisador do Centro Internacional de Políticas para o Crescimento Inclusivo (IPC-IG), Pedro de Lara Arruda, melhores condições socioeconômicas permitem um maior acesso à mobilidade e disponibilidade de tempo de lazer, o que facilita a manutenção de relacionamentos extraconjugais.

“Essa peculiaridade africana reflete o quanto a epidemia também é movida por relacionamentos sexuais simultâneos em um ambiente geralmente heterossexual”, diz Arruda.

No artigo recém-publicado pelo IPC-IG — “O papel potencial das transferências sociais na luta contra o HIV/Aids na África Subsaariana” —, Arruda questiona a eficácia dos programas de transferência de renda voltados para a população economicamente vulnerável no controle da epidemia na região.

Por muito tempo, o alto nível de infecção pelo HIV na África Subsaariana foi atribuído à pobreza sistêmica, o que impulsionou a criação de diversos programas de transferência de renda destinados à população mais pobre. Para Arruda, estes programas são importantes para melhorar os índices de qualidade de vida dos doentes em situação de pobreza, mas é preciso focar na prevenção da doença entre os mais ricos para alcançar resultados mais expressivos.

Ainda assim, Arruda não descarta o papel das transferências de renda na luta contra a Aids na África Subsaariana. Para ele, as dinâmicas de prevenção, contágio e tratamento não são as mesmas entre os diferentes grupos sociais. “As dinâmicas da epidemia entre os pobres podem ser muito diferentes daquelas entre os ricos — isso sem contar aqueles na comunidade lésbica, gay, bissexual e transgênero (LGBT), pessoas que injetam drogas, profissionais do sexo e outros grupos sociais”.

Crianças e adolescentes

De acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS), existem na África Subsaariana mais de 2 milhões de pessoas vivendo com HIV com menos de 15 anos. A Organização também alerta para o fato de 90% das crianças vivendo com HIV no continente africano estarem na região Subsaariana.

Apesar dos esforços para implementar programas sociais que possibilitem uma ampliação do acesso a serviços de saúde e educação, crianças e adolescentes da região continuam sendo muito vulneráveis à infecção. Dados do Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF), apontam que mais de 5 milhões de jovens entre zero e 19 anos serão infectados pelo vírus na África Subsaariana entre 2017 e 2050.

Clique aqui para acessar o artigo original (em inglês).