Estimulantes do tipo anfetamínico são segunda droga mais utilizada no mundo, alerta UNODC

Relatório do Escritório da ONU sobre Drogas e Crimes aponta que o consumo mundial de estimulantes como ecstasy e metanfetaminas só é inferior ao da cannabis.

Um novo relatório divulgado nesta terça-feira (13/9) pelo Escritório das Nações Unidas sobre Drogas e Crime (UNODC) classifica os estimulantes do tipo anfetamínico (ATS), como o ecstasy e as metanfetaminas, como o segundo tipo de droga mais amplamente utilizada no mundo depois da cannabis.

Oferecendo uma análise mais abrangente e atual da situação, o Relatório Global de Estimulantes do Tipo Anfetamínico (ATS) de 2011 (Global Assessment ATS de 2011) aponta que a expansão do comércio da droga e os elevados lucros do crime representam uma ameaça crescente à segurança e à saúde em todo o mundo.

Enquanto a heroína e a cocaína têm atraído maior parte das atenções nos últimos anos, os números sobre as apreensões de ATS e a descoberta de laboratórios clandestinos revelam uma área de preocupação crescente. Considerando que as apreensões de heroína, cocaína e cannabis permaneceram praticamente estáveis no período de 2005 a 2009, as apreensões ATS (à exceção do ecstasy que se manteve constante) mostraram um claro aumento no mesmo período.

Acessíveis e fáceis de fabricar, os ATS são drogas de escolha atraente para milhões de usuários de drogas em todas as regiões do mundo e oferecem aos criminosos uma entrada a mercados ainda não explorados. Ao contrário das drogas à base de plantas, como opiáceos e cocaína, drogas sintéticas podem ser fabricadas em qualquer lugar com baixo investimento inicial por parte dos criminosos.

De acordo com o Relatório, o número de comprimidos apreendidos de metanfetamina no Sudeste Asiático cresceu significativamente nos últimos anos: de 32 milhões em 2008 para 93 milhões em 2009 e 133 milhões em 2010.

“O mercado de ATS evoluiu de uma indústria caseira, caracterizada por operações de produção de pequena escala, para um tipo de mercado mais parecido com o da cocaína ou da heroína, um mercado com maior nível de integração e grupos do crime organizado envolvidos ao longo de toda a cadeia de produção e abastecimento”, disse o Diretor Executivo do UNODC Yury Fedotov. “Estamos vendo a fabricação se expandir para novos mercados e rotas de tráfico, se expandindo para áreas que não eram antes afetadas pelos ATS.”

O Relatório Global de Estimulantes do Tipo Anfetamínico (ATS) de 2011 (Global Assessment ATS de 2011) aponta para um aumento nos países do sudeste asiático que estão relatando a fabricação de ATS, ao mesmo tempo em que o tráfico inter-regional também vem sendo registrado em países sem histórico prévio da droga. Entre 2008 e 2009, o número de laboratórios de ATS desmantelados no Oriente e no Sudeste da Ásia subiu de 288 para 458.

As metanfetaminas também podem estar se expandindo na Europa, com vários países relatando um aumento no seu uso e produção. Há alguns sinais de que a droga pode estar substituindo as anfetaminas em certas partes do continente.

A África Ocidental – que se pensava ser pouco afetada pela fabricação e o tráfico ilícito de ATS – agora foi arrastada para o comércio. Ainda recentemente, em junho de 2011, um laboratório de metanfetaminas foi descoberto na Nigéria, enquanto ATS apreendidos em diversos países do Leste Asiático parecem ter origem na África Ocidental.

Confirmando a propagação global dos ATS, a fabricação também está sendo cada vez mais relatada na América Central e do Sul, com laboratórios sendo desmantelados no Brasil, Guatemala e Nicarágua.

Além de anfetaminas e ecstasy, os mercados existentes de ATS estão assistindo ao surgimento de novas drogas estimulantes – as chamadas substâncias análogas – que estão fora do controle internacional. Emergindo em 2010, substâncias como a mefedrona ou a methylenedioxypyrovalerone (MDPV) são vendidas como “sais de banho” ou “alimento de plantas” e agem como substitutos para drogas estimulantes ilícitas como a cocaína. Altamente perigosas, mas ainda consideradas legais em muitos países, estas drogas continuam amplamente disponíveis na internet.

O uso de ATS por meio intravenoso é outra preocupação emergente com a generalização de problemas de saúde, principalmente considerando a sua ligação com a propagação do HIV e da AIDS. Indicadores apontam para um aumento nesta frente mais notavelmente no Leste e no Sudeste Asiático, bem como em partes da Europa Ocidental e Oriental.

Acesse o relatório completo clicando aqui.

Veja as referências ao Brasil e ao Cone Sul (português e espanhol).

Mais informações

Escritório das Nações Unidas sobre Drogas e Crime
Brasil e Cone Sul – UNODC
Andrea Catta Preta – Assessora de Comunicação
Fone: (61) 3204-7206 | Fax: (61) 3204-7222
www.unodc.org.br | www.twitter.com/unodcprt