‘Estamos perdendo a batalha contra a fome na África e no Oriente Médio’, afirma Diretor-Geral da FAO

O número de pessoas com fome em regiões de terra árida aumentou de 83 para 275 milhões desde o início de 1990.

(FAO/Rodger Bosch)

“Estamos perdendo a batalha contra a fome na África e no Oriente Médio”, disse na quarta-feira (14) o Diretor-Geral da Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura (FAO), José Graziano da Silva, a participantes da Conferência Internacional sobre Segurança Alimentar em terras áridas, que está sendo realizada em Doha, no Catar.

Com mais de dois bilhões de pessoas em países de terras áridas com risco de fome devido à seca recorrente, conflitos e preços de alimentos voláteis, José Graziano pediu  à comunidade internacional que trabalhe próxima às nações afetadas.

“A degradação dos recursos naturais em países de terras áridas ameaça mais de dois bilhões de pessoas”, disse o Diretor-Geral, acrescentando que o número de pessoas com fome em regiões de terra árida aumentou de 83 para 275 milhões desde o início de 1990.

Terras áridas ou ecossistemas caracterizados pela falta de água cobrem cerca de 40% das terras do mundo, que vão desde terras cultivadas e prados de savanas até desertos. Eles são o lar de 38% da população mundial ou 2,7 bilhões de pessoas, e respondem por metade da produção pecuária mundial.

A conferência de dois dias reúne membros de governos, universidades, sociedade civil e do setor privado de 60 países para discutir a segurança alimentar, água e investimento. O encontro visa apresentar recomendações para aumentar a produção agrícola, melhorar a segurança alimentar e aumentar a resiliência a choques futuros nos preços.