Estados-membros discutem papel das cidades no desenvolvimento sustentável

Reunião de autoridades e especialistas em Nairóbi, Quênia, serve de preparação para a Conferência Hábitat III que acontece ano que vem, no Equador.

A Habitat III reunirá líderes globais para discutir como as cidades poderão servir como motores para promover o desenvolvimento e melhores condições de vida para todos. Foto: ONU-Habitat/David Ferreira Santos

A Habitat III reunirá líderes globais para discutir como as cidades poderão servir como motores para promover o desenvolvimento e melhores condições de vida para todos. Foto: ONU-Habitat/David Ferreira Santos

Começou nesta semana um importante debate internacional sobre o desenvolvimento sustentável na sede das Nações Unidas, em Nairóbi, Quênia. A segunda reunião preparatória da Conferência Habitat III e a 25ª sessão do Conselho de Governo reúnem representantes dos Estados-Membros e profissionais da área de urbanismo. Na abertura na última terça-feira (14), representantes de vários países reconheceram o papel das cidades nas políticas nacionais.

O diretor executivo do Programa das Nações Unidas para os Assentamentos Humanos (ONU-Habitat), Joan Clos, disse que o mundo precisa abraçar um novo pensamento que utiliza a urbanização como um motor do desenvolvimento. E destacou que a crise financeira global de 2008 levou a uma mudança de paradigma em relação às prioridades de muitos parceiros para o desenvolvimento.

“Certamente haverá mudanças no financiamento porque depois da crise houve mudança nas prioridades”, disse Clos. “Mas a urbanização cria valor e o que temos que fazer é trabalhar para partilhar esse valor da forma mais eficiente para o benefício de todos.”

A Conferência Habitat III acontece em Quito, no Equador, em outubro de 2016. O encontro mundial representa um marco para a renovação do compromisso global a favor da construção de cidades mais sustentáveis. A Conferência promoverá ainda a adoção de uma “nova agenda urbana”, que impulsiona políticas e estratégias que promovam mudança e melhora na qualidade de vida das pessoas que vivem nas cidades.