Especialistas da ONU avaliam mais de 200 casos de desaparecimentos forçados, entre os quais 13 ‘urgentes’

Grupo de Trabalho examinou 13 casos sob seu procedimento de ação urgente, bem como informações sobre mais de 200 casos. As reuniões terminaram hoje (13) em Genebra.

O Grupo de Trabalho das Nações Unidas sobre Desaparecimentos Forçados ou Involuntários examinou 13 casos sob seu procedimento de ação urgente, bem como informações sobre mais de 200 casos, incluindo casos recém-apresentados e aqueles previamente aceitos. As reuniões terminaram hoje (13) em Genebra.

Os cinco especialistas independentes de direitos humanos estudaram casos do Afeganistão, Albânia, Argélia, Argentina, Bangladesh, Belarus, Butão, República Centro-Africana, Colômbia, Coreia do Norte, Egito, Geórgia, Quênia, Kuwait, Laos, Líbia, Marrocos, México, Mianmar, Paquistão, Peru, Rússia, Arábia Saudita, Espanha, Sri Lanka, Suíça, Síria, Tadjiquistão, Tailândia, Turquia, Uzbequistão e Iêmen.

Durante a 97a sessão, que teve início no dia 9 de julho, o Grupo de Trabalho também revisou as respostas de vários governos para solicitar cartas de intervenção, apelos urgentes e denúncias gerais.

O painel de especialistas reuniu-se com representantes dos governos da Argélia, Japão e Coreia do Sul para trocar opiniões sobre casos individuais e sobre a questão do desaparecimento forçado em geral. Também se reuniu com organizações não governamentais e familiares de pessoas desaparecidas.

Os membros do Grupo de Trabalho realizaram ainda reuniões informais bilaterais com os Estados para trocar informações com o objetivo de reforçar a cooperação. Durante a sessão, o Grupo de Trabalho confirmou uma missão oficial para o Paquistão, prevista para setembro de 2012.

A 98a sessão do Grupo está prevista para ocorrer entre os dias 31 de outubro e 9 de novembro deste ano, em Genebra.