Especialistas da América Latina e Caribe discutem estratégias de compras públicas sustentáveis

Especialistas de países da América Latina e do Caribe se reuniram nesta semana, em Bogotá, Colômbia, para um workshop sobre compras públicas sustentáveis. Encontro teve a participação de representantes da Argentina, Brasil, Chile, Colômbia, Costa Rica, Equador, Paraguai, Peru e Uruguai. Gestores discutiram iniciativas da ONU Meio Ambiente para o setor de aquisições institucionais, além de debater estratégias de rotulagem.

Poder público pode estimular práticas sustentáveis no setor privado por meio da compra de produtos ambientalmente responsáveis. Foto: ONU Meio Ambiente

Poder público pode estimular práticas sustentáveis no setor privado por meio da compra de produtos ambientalmente responsáveis. Foto: ONU Meio Ambiente

Especialistas de países da América Latina e do Caribe se reuniram nesta semana, em Bogotá, Colômbia, para um workshop sobre compras públicas sustentáveis. Encontro teve a participação de representantes da Argentina, Brasil, Chile, Colômbia, Costa Rica, Equador, Paraguai, Peru e Uruguai. Ao longo dos dias 24 e 25, gestores discutiram iniciativas da ONU Meio Ambiente para o setor de aquisições, além de debater estratégias de rotulagem.

Atualmente, a agência ambiental das Nações Unidas conta com uma metodologia própria para estimular a compra de produtos sustentáveis pelos governos de seus Estados-membros. Segundo o organismo internacional, com a aquisição de insumos e produtos vindos de empresas responsáveis, o poder público consegue impulsionar a parcela da iniciativa privada engajada com a proteção da natureza.

Outro método importante para incentivar a sustentabilidade no mercado é a rotulagem. Com indicações nas embalagens, os consumidores podem identificar quais produtos cumprem requisitos associados ao impacto ambiental de sua fabricação.

Segundo a ONU Meio Ambiente, ambos os enfoques são políticas de produção e consumo que levam ao uso de tecnologias mais eficientes e ecologicamente corretas. Medidas também facilitam o acesso a informações confiáveis pelo consumidor no momento de escolher o que comprar.