Escritório da ONU para redução de risco de desastres realiza oficina em São Paulo

Escritório das Nações Unidas para a Redução do Risco de Desastres (UNISDR) promoveu no fim de novembro uma oficina em São Paulo sobre a formulação de planos de redução de risco de desastres no nível local.

O Marco de Sendai para a Redução do Risco de Desastres 2015-2020 inclui entre suas metas globais o aumento considerável do número de países com estratégias de redução de risco de desastres no nível nacional e local até 2020. A oficina, de 20 horas, respondeu ao chamado para fortalecer as capacidades locais e apoiar as ações para alcançar esta meta.

O Brasil é um dos dez países em que mais ocorrem desastres naturais no mundo. Nas últimas duas décadas, foram registradas mais de 23 mil catástrofes naturais no país, sendo a estiagem e a seca as principais. Foto: ONU/Logan Abassi

O Brasil é um dos dez países em que mais ocorrem desastres naturais no mundo. Nas últimas duas décadas, foram registradas mais de 23 mil catástrofes naturais no país, sendo a estiagem e a seca as principais. Foto: ONU/Logan Abassi

O Escritório das Nações Unidas para a Redução do Risco de Desastres (UNISDR) promoveu no fim de novembro uma oficina em São Paulo sobre a formulação de planos de redução de risco de desastres no nível local.

A oficina teve a participação de 34 profissionais em gestão de risco de desastres de 16 municípios brasileiros, que concluíram sua formação para a elaboração de planos de redução de risco de desastres no nível local.

O evento fez parte do programa de fortalecimento de capacidades promovido pelo Instituto Global de Educação e Treinamento (GETI, na sigla em inglês); e contou com o UNISDR como entidade de capacitação.

O Marco de Sendai para a Redução do Risco de Desastres 2015-2020 inclui entre suas metas globais o aumento considerável do número de países com estratégias de redução de risco de desastres no nível nacional e local até 2020. A oficina, de 20 horas, respondeu ao chamado para fortalecer as capacidades locais e apoiar as ações para alcançar esta meta.

Os participantes receberam sua credencial das mãos do tenente-coronel da Polícia Militar Anderson Lima de Oliveira, diretor do Departamento Estadual de Defesa Civil de São Paulo.

Durante a abertura do evento, Nahuel Arenas, chefe adjunto do escritório regional para as Américas do UNISDR, ressaltou o alto número de cidades brasileiras inscritas na campanha mundial “Desenvolvendo Cidades Resilientes” e o compromisso dos governos locais ao incorporar a gestão do risco aos projetos de desenvolvimento.

A coronel da PM Helena dos Santos Reis, secretária-chefe da Casa Militar e coordenadora estadual da Defesa Civil de São Paulo, convidou as cidades participantes a se consolidar como precursoras ao identificar ações práticas que lhe permitam estar preparadas e incorporar a gestão do risco no nível municipal.

Durante o evento, também foi entregue a Edson Luís Florêncio, diretor de obras públicas e coordenador da Defesa Civil do município de Casa Branca, interior de São Paulo, um reconhecimento por ser a milésima cidade brasileira inscrita na campanha mundial “Desenvolvendo Cidades Resilientes”.

Sidnei Furtado, promotor da campanha mundial “Desenvolvendo Cidades Resilientes no Brasil” enfatizou a importância de manter a coordenação entre os órgãos nacionais, estaduais e municipais, assim como integrar ações e interesses.

A oficina “Implementando o Marco de Sendai no Nível Local: Formulação de Planos de Redução de Risco de Desastres no nível local” foi possível graças ao apoio de Defesa Civil de São Paulo, Agência dos Estados Unidos para o Desenvolvimento Internacional (USAID/OFDA), UNISDR e Instituto Global de Educação e Treinamento do UNSIDR (ONEA-GETI).