Escritório da ONU e Itamaraty realizam curso de gestão em Cooperação Sul-Sul

Terceira edição do evento teve como principal objetivo fortalecer a cooperação entre países em desenvolvimento. Treinamento reuniu participantes de 40 países.

O evento reuniu representantes de vários países e ressaltou a importância da cooperação Sul-Sul. Foto: Ana de Oliveira/AIG/MRE

O evento reuniu representantes de vários países e ressaltou a importância da cooperação Sul-Sul. Foto: Ana de Oliveira/AIG/MRE

O Escritório das Nações Unidas para a Cooperação Sul-Sul, a Agência Brasileira de Cooperação do Ministério das Relações Exteriores (ABC/MRE) e a Agência de Cooperação Internacional do Japão (JICA) realizaram, na semana passada, o 3º Curso em Gestão da Cooperação Sul-Sul e Trilateral.

O treinamento, que aconteceu do dia 16 ao dia 20 de março, reuniu participantes de 40 países em desenvolvimento com o objetivo de enriquecer a cooperação internacional e fortalecer as capacidades de gestão. De acordo com o Itamaraty, o curso proporciona a troca de experiências nas áreas de gestão de projetos de desenvolvimento, comunicação, administração de recursos humanos e coordenação institucional.

Jorge Chediek, coordenador do Sistema ONU no Brasil, esteve presente na cerimônia de abertura e lembrou a importância da colaboração entre os países e os resultados do trabalho conjunto, além de ressaltar a parceria da JICA, agência que já realizou mais de 30 projetos de cooperação Trilateral e apoia, por meio de colaboração técnica, instituições brasileiras de diversas áreas há mais de 50 anos.

O embaixador Johny Muhindo, chefe para as Américas e para o Pacífico do Ministério das Relações Exteriores de Uganda, ressaltou que a importância do curso está na capacitação dos gestores e representantes dos países para que eles saibam lidar com as questões que afetam as atividades de cooperação Sul-Sul. “Eu, particularmente, achei interessantes os cursos sobre recursos humanos e comunicação, porque um dos problemas que tivemos, obviamente, é o de sensibilização. Muitas pessoas não sabem muito sobre cooperação Sul-Sul, sobre o que ela faz e quais são seus benefícios para o povo”, complementou.

Para Lita Lui, oficial de ajuda do Ministério de Finanças de Samoa, a abordagem interativa do curso foi um dos fatores que mais contribuiu para um bom diálogo entre os países. “Os participantes estavam mais abertos para interagir uns com os outros, então foi um bom modo de facilitar o curso”, observa.

De acordo com Juliana Fronzaglia, assessora da ABC, o curso fortalece os governos e desenvolve prática de planejamento e de negociação. “Uma das razões do curso é, não só promover a troca de experiências, mas trazer mudanças concretas nas instituições e, com base nessa disseminação de conhecimento, impulsionar os participantes a identificar quais experiências atendem suas próprias necessidades de melhorias”, explica.

Profissionais de órgãos como a Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa) e o Ministério da Integração Nacional e a Escola Nacional de Administração Pública (Enap) foram convidados para apresentar suas experiências durante o curso. Além de diplomatas, integrantes de agências de cooperação e dos ministérios de finanças e de planejamento dos países também participaram do treinamento.

No último dia de curso, foi realizada uma visita ao Centro Nacional de Pesquisa de Recursos Genéticos e Biotecnologia da Embrapa (Embrapa Cenargen) para que os participantes conheçam o trabalho da empresa, já que ela é um dos principais parceiros da cooperação Sul-Sul brasileira.

ONU Brasil e a cooperação internacional

As cooperações Trilateral e Sul-Sul são importantes mecanismos de promoção de desenvolvimento conjunto entre nações emergentes. O Sistema ONU no Brasil, em colaboração com o governo brasileiro, já auxiliou países como Etiópia, Angola, Moçambique, Mali e Equador em questões como saneamento básico, igualdade de gênero, produção agrícola e saúde reprodutiva.

Em entrevista recente para a Rádio ONU, o coordenador do Sistema das Nações Unidas no Brasil, Jorge Chediek, falou sobre a importância da cooperação Sul-Sul no progresso internacional. “Muitas das respostas para os problemas dos países em desenvolvimento estão em outros países em desenvolvimento”, afirmou.

Chediek afirmou ainda que cerca de 14 agências da ONU no Brasil estão engajadas na cooperação Sul-Sul: “Temos desenvolvido mais de 44 iniciativas de cooperação em parceria com instituições brasileiras. Essa parceria está gerando resultados muito positivos e, ao mesmo tempo, permitindo maior incorporação da cooperação Sul-Sul no arsenal de instrumentos de colaboração do Sistema das Nações Unidas”.