Enviado especial da ONU pede a Conselho de Segurança solução para conflito sírio

Com o progresso interrompido nas frentes política e de paz na Síria, o enviado especial da ONU para o país, Geir Pedersen, instou nesta quarta-feira (19) os embaixadores do Conselho de Segurança a encontrar uma solução para acabar com quase nove anos de conflito.

Seu apelo foi feito diante de um cenário da rápida deterioração humanitária no noroeste da Síria, onde uma ofensiva militar em andamento deslocou quase 900 mil pessoas desde dezembro.

Em 12 de fevereiro de 2020, famílias se abrigam em um assentamento informal recentemente estabelecido que continua a receber famílias recém-deslocadas do sul de Idlib e das províncias rurais de Alepo, no noroeste da Síria. Foto: UNICEF/Baker Kasem

Em 12 de fevereiro de 2020, famílias se abrigam em um assentamento informal recentemente estabelecido que continua a receber famílias recém-deslocadas do sul de Idlib e das províncias rurais de Alepo, no noroeste da Síria. Foto: UNICEF/Baker Kasem

Com o progresso interrompido nas frentes política e de paz na Síria, o enviado especial da ONU para o país, Geir Pedersen, instou nesta quarta-feira (19) os embaixadores do Conselho de Segurança a encontrar uma solução para acabar com quase nove anos de conflito.

Seu apelo foi feito diante de um cenário da rápida deterioração humanitária no noroeste da Síria, onde uma ofensiva militar em andamento deslocou quase 900 mil pessoas desde dezembro.

Com as famílias fugindo de bombardeios em meio a baixas temperaturas, o secretário-geral da ONU, António Guterres, pediu na terça-feira (18) um cessar-fogo imediato, o que foi repetido por Pedersen em suas instruções ao Conselho.

“Apelo mais uma vez ao pleno respeito ao Direito Internacional Humanitário e a um cessar-fogo imediato em Idlib, em última análise, em direção a um cessar-fogo nacional. Peço aos principais atores internacionais que continuem e intensifiquem seus contatos para restaurar a calma”, disse o enviado da ONU.

“Peço a todos os membros deste Conselho que deem seu peso firmemente à busca de um caminho político a seguir. Como o secretário-geral (da ONU) nos lembrou ontem, só assim podemos realmente servir aos interesses do povo sírio.”

A região de Idlib é a última fortaleza controlada pelos rebeldes na Síria, e o governo, apoiado por aliados, luta para recuperá-la.

“A Turquia e a Rússia, como patrocinadoras dos acordos de redução de tensões em Idlib, podem e devem desempenhar um papel fundamental para encontrar uma maneira de reduzir a escalada da situação agora”, disse Pedersen.

“As delegações russa e turca se reuniram intensamente nos últimos dias e houve contatos presidenciais também. Mas nenhum entendimento ainda surgiu. Pelo contrário, declarações públicas de diferentes setores, sírios e internacionais, sugerem um perigo iminente de uma nova escalada.”

O coordenador humanitário da ONU, Mark Lowcock, disse ao Conselho que pelo menos 100 civis foram mortos até agora este mês em ataques aéreos e terrestres no noroeste do país, 35 deles crianças.

Ele relatou que, embora as pessoas estejam tentando encontrar abrigo em áreas cada vez mais movimentadas, nenhum lugar é seguro. “Quase 50 mil pessoas estão vivendo sob árvores ou em outros espaços abertos”, disse ele.

“Recebo informações diárias de bebês e outras crianças morrendo no frio. Imagine a tristeza de um pai que escapou de uma zona de guerra com seu filho, apenas para ver esse filho morrer de frio.”

No início deste mês, os humanitários pediram 336 milhões de dólares adicionais para apoiar cerca de 800 mil pessoas através de operações transfronteiriças da Turquia. No entanto, Lowcock antecipou que eles solicitarão 500 milhões de dólares, já que o esforço de ajuda está agora “sobrecarregado” pelas necessidades crescentes.

“Estamos considerando todas as opções para aumentar o apoio no noroeste. Estamos trabalhando com o governo da Turquia para expandir a abertura da passagem da fronteira de Bab al-Hawa para sete dias por semana, a fim de aumentar o número de caminhões de ajuda que entram. Estamos pedindo ao governo da Síria permissão para uma missão de Damasco a áreas que eles assumiram recentemente, a fim de ver quem está lá e avaliar suas necessidades.”

Além da crise no noroeste, Pedersen citou “desenvolvimentos preocupantes” em outros lugares da Síria, incluindo hostilidades renovadas no norte rural de Alepo e “tensões não resolvidas” no nordeste.

“O ressurgimento do Estado Islâmico é muito preocupante, com ataques frequentes registrados no nordeste, na região desértica em torno de Homs e em outras áreas”, acrescentou.

“Na semana passada, uma declaração militar síria informou que as defesas aéreas do governo sírio responderam a ‘mísseis inimigos’ vindos do Golan sírio ocupado”.

Ele disse que esses desenvolvimentos são um lembrete de que a soberania, a integridade territorial e a independência da Síria continuam “seriamente comprometidas” pelo conflito.

O enviado sublinhou a posição da ONU de que o conflito sírio não pode ser resolvido por meios militares e que é necessário um processo político para avançar em direção a uma solução.

No entanto, ele informou que o progresso no Comitê Constitucional lançado no ano passado também permanece estagnado.

O Comitê é composto por igual número de representantes de governo, oposição e sociedade civil que elaborarão um novo roteiro político para a Síria no pós-guerra.

Os membros se reuniram em Genebra pela primeira vez em outubro, mas não puderam chegar a acordo sobre a agenda da segunda reunião, semanas depois.

Pedersen expressou esperança de que uma terceira sessão seja convocada em breve. Enquanto isso, ele continua a se envolver com as partes.