Enviado da ONU pede ‘ação coletiva’ para pôr fim a derramamento de sangue no Iraque

Ataque terrorista no domingo (6) deixou dezenas de mortos, inclusive crianças. “Apelo a todos os líderes políticos a fortalecer esforços para promover o diálogo e reconciliação nacional.”

Ataque a bomba no Iraque. Foto: IRIN (foto de arquivo)

Ataque a bomba no Iraque. Foto: IRIN (foto de arquivo)

A principal autoridade das Nações Unidas no Iraque pediu neste domingo (6) aos líderes políticos, religiosos e civis para trabalhar em conjunto com as forças de segurança com o objetivo de deter a onda de violência, após um ataque na zona norte do país que deixou dezenas de mortos.

“É sua responsabilidade assegurar que os peregrinos possam praticar suas religiões, que crianças em idade escolar possam assistir suas aulas, que os jornalistas possam exercer os seus deveres profissionais e que os cidadãos comuns possam viver uma vida normal, em um ambiente livre do medo e da violência”, disse o representante especial do secretário-geral da ONU, Nickolay Mladenov, em um comunicado.

No próprio domingo, homens-bomba atacaram uma escola e uma delegacia de polícia no norte do país, matando dezenas de pessoas – inclusive crianças.

De acordo com os dados sobre vítimas divulgados na semana passada pela missão da ONU no país – UNAMI –, um total de 979 iraquianos foram mortos e outros 2.133 ficaram feridos em atos de terrorismo e violência em setembro deste ano.

O número de civis mortos foi de 887 – incluindo 127 policiais civis –, enquanto que o número de civis feridos foi de 1.957 – incluindo 199 policiais civis. No total, 92 membros das forças de segurança iraquianas foram mortas e 176 ficaram feridos.

“À medida que terroristas continuam a visar os iraquianos indiscriminadamente, eu apelo a todos os líderes políticos para fortalecer seus esforços para promover o diálogo e reconciliação nacional”, disse Mladenov, que também chefia a missão.

Bagdá foi a província mais afetada em setembro, com 1.429 de incidentes com civis – 418 mortos e 1.011 feridos –, seguido por Ninewa, Diyala, Salahuddin e Anbar. Kirkuk, Erbil, Babil, Wasit, Dhi- Qar e Basra também relataram muitas baixas, na casa dos dois dígitos.