Enviado da ONU pede a israelenses e palestinos que acelerem, e não enfraqueçam, negociações de paz

Coordenador especial da ONU para o processo de paz no Oriente Médio, Robert Serry. Foto: ONU/Devra Berkowitz

Os esforços renovados para as perspectivas de paz entre Israel e Palestina não devem ser negligenciadas em meio ao tumulto em outras partes da região, disse nesta terça-feira (17) o coordenador especial da ONU para o processo de paz no Oriente Médio, Robert Serry, ao Conselho de Segurança da ONU. Serry pediu que israelenses e palestinos ajam de forma responsável e evitem ações que possam minar as perspectivas para negociações retomadas.

“As equipes de negociação foram envolvidas em várias rodadas de conversas e nós encorajamos os dois lados a acelerar e intensificar as discussões”, disse Serry.

O coordenador disse que a comunidade internacional apoia uma solução de dois Estados e agora tem a responsabilidade de dar uma chance a estes esforços. “Mas o ônus de sustentar um ambiente favorável encontra-se nas partes diretamente envolvidas. Ambas devem abster-se de ações que possam minar as perspectivas sobre as negociações”.

Serry elogiou a decisão recente do governo israelense de aumentar para 5 mil o número de autorizações de trabalho para os palestinos da Cisjordânia, e que espera novas medidas de cooperação econômica e diminuição das restrições de acesso e movimento dos palestinos.

Ao mesmo tempo, observou que a atividade de assentamento – a construção de colônias israelenses – continuou na Cisjordânia e em Jerusalém Oriental e reiterou que tais ações são “contraproducentes”. Confrontos entre palestinos e colonos também continuam e relatos de ataques de colonos contra os agricultores palestinos são “particularmente preocupantes”.

Serry observou que o secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon, aguarda reuniões produtivas no final deste mês do quarteto diplomático sobre o processo de paz no Oriente Médio. O grupo é formado por Estados Unidos, ONU, Rússia, União Europeia. Ban também espera resultados do Comitê Ad Hoc de Ligação, que lida com assistência ao desenvolvimento para o povo palestino, e um debate construtivo este ano na Assembleia Geral das Nações Unidas.