Enviado da ONU para a Síria propõe novo plano para ‘congelar’ conflito e promover solução política

Se for possível ‘congelar’ a situação em Aleppo, a cidade pode se tornar um local com vida melhor para os cidadãos. Logo após, o foco seria a crescente ameaça do Estado Islâmico, acredita Staffan de Mistura.

Cidade síria de Aleppo. Foto: ONU

Cidade síria de Aleppo. Foto: ONU

A guerra na Síria deve ser “congelada localmente” para que a crescente ameaça representada pelo Estado Islâmico do Iraque e do Levante (ISIL) possa ser totalmente confrontada, sugeriu o enviado especial do secretário-geral para a Síria, Staffan de Mistura, nesta segunda-feira (03).

Ele descreveu que na Síria há “um sentimento de desespero e de cansaço”, acrescentando que recebeu apelos de muitas pessoas para “parar este massacre” e “dar-nos um pouco de luz”, durante sua recente visita. “Essa foi a mensagem mais forte que recebi e por isso que estou tentando encontrar alguns pontos que possam fazer a diferença: não através de uma conferência, não através de um seminário, mas através de algo tangível para eles”, afirmou de Mistura.

Ao explicar seu novo plano, o enviado especial disse que a cidade sitiada de Aleppo é o melhor exemplo de como o conflito poderia ser congelado, já que no local há constantes combates entre as forças de oposição e do governo, ao mesmo tempo em que os militantes do ISIL avançam na região. “Se conseguirmos ‘congelar’ a situação na cidade e mostrar que Aleppo pode se tornar uma área onde podemos dar uma vida melhor para os cidadãos, em seguida, o foco pode ser, como deve ser, o ISIL”, disse de Mistura.