Enviado da ONU na Líbia pede que líderes no país deem ‘empurrão final’ pela paz

O enviado especial da ONU pediu que as partes envolvidas superem a polarização política e divisão na Líbia para evitar o colapso total do país.

Pessoas deslocadas no leste da Líbia. Foto: ONU

Pessoas deslocadas no leste da Líbia. Foto: ONU

Com o processo de diálogo político apoiado pelas Nações Unidas na Líbia se aproximando de seus últimos estágios, “o tempo está se esgotando” para líderes de todos os lados e em todos os níveis darem o “empurrão final”, disse o chefe da Missão da ONU no país (UNSMIL) ao Conselho de Segurança na última quarta-feira (26).

“Superar a polarização política e divisão na Líbia não será uma tarefa fácil, a responsabilidade recai sobre os líderes da Líbia em todos os lados, e em todos os níveis, para dar o empurrão final em direção à paz”, disse Bernardino León, que também é o representante especial do secretário-geral para o país do Norte da África.

Se dirigindo aos 15 membros do Conselho, ele disse que a magnitude dos desafios não deve ser subestimada, nem os recursos necessários para tirar o país da beira da crise econômico e o colapso total das instituições do Estado.

Quinze meses desde o começo das operações militares em Bengasi, os confrontos têm gradualmente se transformado em “guerra de fossos” sem fim imediato previsto. Em todo território nacional, a escala do sofrimento humano é impressionante para um país com grandes reservas de petróleo e forte potencial econômico, disse León. Estima-se que 1,9 milhão de pessoas necessitam de ajuda urgente para suprir suas necessidades básicas de cuidados de saúde, o acesso aos alimentos é um grande problema para 1,2 milhão de pessoas.