Enviado da ONU condena ataque à base da missão da União Africana na Somália

Militantes do Al-Shabab usaram um carro carregado de explosivos para iniciar o ataque e facilitar sua entrada forçada no complexo, onde trocaram tiros com os soldados da missão.

Soldados da Uganda servindo a Missão da União Africana (AMISOM) na Somália na região de Janaale. Foto: AU/UN/IST/Tobin Jones

Soldados da Uganda servindo a Missão da União Africana (AMISOM)
na Somália na região de Janaale. Foto: AU/UN/IST/Tobin Jones

O chefe da missão da ONU na Somália, Nicholas Kay, condenou, firmemente, nesta terça-feira (01), os ataques dos militantes do Al-Shabab à base da Missão da União Africana (AMISOM) baseada em Janaale, região no sul do país, formada por tropas da Uganda.

De acordo com a AMISOM, os militantes usaram um carro carregado de explosivos para iniciar o ataque e facilitar sua entrada forçada no complexo, onde trocaram tiros com os soldados. Segundo relatos da mídia, cerca de 50 pessoas morreram. Após o incidente, o controle da base foi reconquistado. Kay enviou suas condolências às famílias das vítimas e aos governos da Uganda e Somália.

“Estes corajosos membros da força de paz sacrificaram suas vidas em esforços contínuos para trazer a paz duradoura e a segurança para a Somália”, disse, adicionado que as Nações Unidas continuam resolutas em seu apoio ao povo da Somália.