Enviado da ONU ao Iraque pede medidas do governo para acabar com ‘derramamento de sangue’

Centenas de pessoas foram mortas ou feridas nos últimos confrontos em todo o país. ONU pede que diálogo inclusivo de iraquianos para superar crise política.

Consequências de um ataque de uma bomba no Iraque (foto de arquivo). Foto: IRIN

Consequências de um ataque de uma bomba no Iraque (foto de arquivo). Foto: IRIN

A principal autoridade das Nações Unidas no Iraque pediu nesta sexta-feira (17) aos líderes iraquianos para proteger os civis após uma nova onda de ataques ao longo dos últimos dias, que têm tirado muitas vidas inocentes.

“As crianças pequenas são queimadas vivas em carros. Devotos são retirados de suas próprias mesquitas. Isto é além do inaceitável. É de responsabilidade dos políticos que iniciem imediatamente um diálogo para resolver o impasse político e colocar um fim a esse derramamento de sangue, e proteger os seus cidadãos”, disse o representante especial do secretário-geral da ONU no Iraque, Martin Kobler.

Centenas de pessoas foram mortas ou feridas nos últimos confrontos em todo o país, inclusive em Hawija, no norte de Bagdá, onde os helicópteros do governo dispararam contra militantes escondidos na aldeia, o que resultou em dezenas de mortos e feridos.

Kobler tem apelado repetidamente às autoridades iraquianas para tomarem medidas decisivas para interromper a violência crescente. No início deste mês, o secretário-geral da ONU pediu a todos os iraquianos que se unissem e se engajassem em um diálogo inclusivo para superar a “crise política profunda” que o país enfrenta.

“A paz deve existir neste país agora. O povo do Iraque já sofreu o suficiente”, disse Kobler. “Nós continuaremos a lembrar os líderes do Iraque que o país vai cair em um cenário desconhecido perigoso se não tomar uma atitude agora.”