Entrevistas do PNUD retratam em vídeo os esforços na reta final do cumprimento dos Objetivos do Milênio

Até o final do ano, a série irá exibir depoimentos de representantes da iniciativa pública e privada, da sociedade civil, de universidades e organizações não governamentais que trabalham a favor da conquista dos Objetivos de Desenvolvimento do Milênio no país.

Um dos Objetivos do Milênio é a universalização da educação primária. Foto: Govba/Carol Garcia

Um dos Objetivos do Milênio é a universalização da educação primária. Foto: Govba/Carol Garcia

O Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD) lançou nesta terça-feira (10) a série Parceiros dos Objetivos do Milênio em Ação. Até o final do ano, a série irá exibir entrevistas em vídeo com representantes da iniciativa pública e privada, da sociedade civil, de universidades e organizações não governamentais que trabalham a favor da conquista dos Objetivos de Desenvolvimento do Milênio (ODM) no país.

Além de informar e mobilizar a sociedade para o cumprimento dos ODM, a série pretende engajar a sociedade com a próxima agenda de desenvolvimento, que inclui os novos objetivos conhecidos como Objetivos de Desenvolvimento Sustentáveis (ODS), que serão acordados pelos Estados-membros da ONU, na próxima Assembleia Geral, em setembro.

O primeiro entrevistado da série é o representante residente do PNUD no Brasil, Jorge Chediek, que fala sobre o desempenho do país no alcance dos ODM, o trabalho desenvolvido pelo agência da ONU nesta área e a expectativa em relação aos ODS.

“Os ODM são uma tarefa compartilhada, não são só uma responsabilidade do setor público central, mas precisam da participação, de um engajamento ativo dos diferentes níveis de governo – estados, prefeituras – e também da sociedade civil”, afirmou Chediek.

Veja a entrevista na íntegra:

Sobre os ODM

O ODM, acordados em 2000 por líderes de 191 países, chegam à reta final em 2015 – prazo estabelecido para o cumprimento desses objetivos – com o desafio de intensificar ainda mais as ações e políticas públicas que visem assegurar o alcance das metas que ainda não foram atingidas.

No Brasil, o 5° Relatório Nacional de Acompanhamento dos Objetivos de Desenvolvimento do Milênio mostrou a diferença que os ODM fizeram nas vidas das pessoas. Para citar alguns exemplos, os ODM ajudaram o Brasil a reduzir a pobreza extrema de 25,5%, em 1990, para 3,5% em 2012, a atingir a universalização do acesso ao ensino fundamental, a reduzir em dois terços a mortalidade infantil; a aumentar a autonomia feminina, tendo em vista que 59,5% dos empregados no setor não agrícola com educação superior são mulheres; a diminuir a desigualdade; e, a ampliar, de 70% para 85% da população, o acesso à água potável por rede geral de distribuição.

Estes resultados nacionais muitas vezes diferem dos resultados obtidos nas diferentes regiões e municípios brasileiros. Por esta razão, a ONU recomendou, em 2010, que os países focassem no alcance dos ODM de forma localizada ou municipalizada. Diante deste desafio, o PNUD Brasil apoia e acompanha as ações desenvolvidas para o cumprimento dos ODM por meio do Projeto ODM 2015, em parceria com a Secretaria-Geral da Presidência da República (SG/PR), do Movimento Nacional pela Cidadania e Solidariedade (MNCS), e de empresas como Furnas, Sebrae, Petrobrás, Caixa Econômica Federal, Banco do Brasil e Banco do Nordeste.

Esta parceria entre organismo internacional, governos, empresas e sociedade civil permitiu fortalecer o combate às desigualdades e acelerar o alcance dos ODM com a criação de 27 Núcleos Estaduais, 132 Núcleos Municipais e 40 Núcleos Regionais dos ODM em todo o país.