Energias limpas são mais lucrativas, diz embaixador da ONU Meio Ambiente

AUMENTAR LETRA DIMINUIR LETRA

O embaixador da Boa Vontade da ONU Meio Ambiente, o piloto suíço Bertrand Piccard, disse na segunda-feira (18) que o mundo deve investir em energias limpas, por estas serem mais lucrativas para investidores e consumidores em mercados emergentes.

O piloto lidera o projeto Impulso Solar que, em 2015, desenvolveu um avião totalmente movido a energia solar, elogiado pelas Nações Unidas.

O piloto suíço Bertrand Piccard. Foto: Presidential Office Building/Taiwan (CC)

O piloto suíço Bertrand Piccard. Foto: Presidential Office Building/Taiwan (CC)

O embaixador da Boa Vontade da ONU Meio Ambiente, o piloto suíço Bertrand Piccard, disse na segunda-feira (18) que o mundo deve investir em energias limpas, por estas serem mais lucrativas para investidores e consumidores em mercados emergentes.

Em nota, Piccard afirmou que os tomadores de decisões devem parar de se comprometer com metas minimalistas para a redução da poluição, definindo objetivos baseados em tecnologias modernas.

O piloto lidera o projeto Impulso Solar que, em 2015, desenvolveu um avião totalmente movido a energia solar, elogiado pelas Nações Unidas. Piccard afirmou que o mundo deve desenvolver materiais seguros, como embalagens reutilizáveis, com objetivo de salvaguardar “não só as gerações futuras, mas o bem-estar atual” da humanidade.

Ele lembrou que a poluição do ar, que se tornou o maior risco para a saúde ambiental, mata anualmente 7 milhões de pessoas. Além disso, todos os dias são despejados nos rios cerca de 2 bilhões de toneladas de resíduos humanos contendo produtos químicos que podem ter graves impactos na saúde.

Para o embaixador da ONU para o Ambiente, “existem soluções que podem reduzir a poluição e, simultaneamente, gerar lucro”, que “se fossem implementadas, poderiam reduzir drasticamente as emissões poluentes a nível global, beneficiando as pessoas, o planeta e a indústria”.

Piccard questiona o rumo que a humanidade está seguindo, quando, por exemplo, cerca de 30% dos alimentos produzidos globalmente são perdidos ou desperdiçados, levando a emissões de metano que causam mudanças climáticas.

O embaixador da Boa Vontade da ONU Meio Ambiente afirmou ainda ser preciso traçar metas ambiciosas para que o planeta seja livre de poluição e lembrou que, anualmente, 8 milhões de toneladas de plástico atingem os oceanos, afetando numerosas espécies marinhas.


Mais notícias de:

Comente

comentários