Encontro de ministros de saúde dos Brics em Brasília discute metas de saúde da ONU

Os países do BRICS afirmaram que pretendem cumprir a meta estabelecida pelo UNAIDS e pela OMS conhecida como 90-90-90. A meta é testar 90% da população e, das pessoas que apresentarem resultado positivo, tratar 90%. Como resultado, conseguir que 90% das pessoas tratadas apresentem carga viral indetectável, até 2020.

Realizada em Brasília, entre 2 a 5 de dezembro, a 4ª Reunião de Ministros da Saúde dos BRICS teve como principais temas, o acesso aos medicamentos de combate à tuberculose, o enfrentamento à má nutrição e o intercambio de lições aprendidas em relação às ações de prevenção ao ebola e a AIDS.

O documento apresentado pelo Ministro da Saúde do Brasil, Arthur Chioro, prevê a construção de uma proposta para o acesso universal aos medicamentos de primeira linha para pacientes com tuberculose dos países do BRICS e de baixa renda. A Organização Mundial de Saúde (OMS) estima que 22 países sejam responsáveis por mais de 80% dos casos de tuberculose no mundo e que Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul representam 50% dos casos notificados. A expectativa é que seja atingida a meta de 90% dos grupos vulneráveis e que 90% dos pacientes sejam diagnosticados. Como resultado, 90% das pessoas se tratem com sucesso.

No tema de HIV/AIDS, o debate foi em torno da adesão às metas voltadas para melhorar a qualidade de vida das pessoas com a doença. Os países pretendem cumprir a meta estabelecida pelo Programa Conjunto das Nações Unidas sobre HIV/Aids (UNAIDS) e pela OMS, conhecida como 90-90-90, até 2020. A meta é testar 90% da população e, das pessoas que apresentarem resultado positivo, tratar 90%. Como resultado, conseguir que 90% das pessoas tratadas apresentem carga viral indetectável.

Os Ministros de Saúde também manifestaram preocupação nos temas nutrição e ebola. Sobre nutrição, tema que será destaque em reunião paralela da próxima Assembleia Mundial de Saúde, reconheceram o aumento de taxas de excesso de peso, obesidade e doenças crônicas decorrentes da desnutrição nos cinco países. Para a epidemia do ebola, aprovaram a criação de um grupo de trabalho para desenvolver um plano conjunto de enfrentamento da doença.