Empresas brasileiras contribuem para os Objetivos do Desenvolvimento Sustentável em evento da ONU

Conclusões dos empresários brasileiros integrarão documento destinado ao secretário-geral da ONU Foto: Pacto Global/Alessandra Fratus

Conclusões dos empresários brasileiros integrarão documento destinado ao secretário-geral da ONU. Foto: Pacto Global/Alessandra Fratus

Quais os principais desafios e oportunidades para o setor privado a partir da Agenda Pós-2015 das Nações Unidas? Quais os meios mais eficazes para efetivar o cumprimento dos Objetivos do Desenvolvimento Sustentável (ODS)? Esse debate mobilizou 80 representantes de empresas brasileiras e de organizações da sociedade civil na consulta pública Diálogo inclusivo, realizado pela Rede Brasileira do Pacto Global no dia 27 de agosto, em São Paulo, no espaço de co-working da FIAP.

O encontro organizado em parceria com o Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD), a Organização das Nações Unidas para o Desenvolvimento Industrial (UNIDO) e a Internacional Finance Corporation (IFC – Grupo Banco Mundial) trouxe quatro painéis de especialistas e dois grupos de trabalho sobre grandes temas de implementação dos ODS, que irão substituir os atuais Objetivos de Desenvolvimento do Milênio (ODM) após 2015.

As conclusões dos participantes brasileiros serão enviadas ao escritório central do Pacto Global em Nova York, que assumiu a liderança internacional de dialogar com o setor privado no processo de construção dos ODS junto às Nações Unidas. Entre os especialistas convidados, houve consenso sobre o atual momento de oportunidades para negócios que saibam gerar valor com sustentabilidade.

“A ONU reconhece que o setor privado é um ator central para o desenvolvimento: cria riquezas, gera empregos e desenvolve os avanços tecnológicos. O que procuramos nessas negociações internacionais é criar essa nova realidade de forma que também permita o progresso do setor privado, com crescimento sustentável”, disse na abertura da consulta o coordenador-residente da ONU no Brasil e representante-residente do PNUD no Brasil, Jorge Chediek.

O diretor de desenvolvimento sustentável da Braskem e presidente da Rede Brasileira do Pacto Global, Jorge Soto, reforçou que o Pacto Global trouxe uma importante contribuição do setor privado com o lançamento da plataforma Arquitetos de um mundo melhor. “O documento [lançado em 2013] traz uma orientação clara sobre como cada empresa pode contribuir de forma concreta com a caminhada da sustentabilidade, aliando suas estratégias de negócio com a responsabilidade, estabelecendo parcerias com governos e sociedade civil”, afirmou.

Para Gustavo Aishemberg, representante da UNIDO no Brasil, ao menos 7 dos 17 objetivos propostos na Minuta Zero dos ODS só podem se realizar por meio de conscientização e parcerias com o setor privado. O acesso à energia para todos e o desenvolvimento de infraestrutura e industrialização são alguns exemplos. Luis Iseppe, especialista do IFC, disse que a entidade passou a cobrar políticas de sustentabilidade como contrapartida de financiamento a projetos privados.

Saiba mais sobre o evento.