Em visita ao Sudão do Sul, chefe de operações de paz da ONU pede solução política para a crise

Em viagem ao Sudão do Sul, o subsecretário-geral da ONU para operações de paz da ONU, Hervé Ladsous, alertou para a preocupante situação de segurança no país e pediu uma solução política urgente para a crise na região.

O subsecretário-geral da ONU para as Operações de Paz, Hervé Ladsous, em uma coletiva de imprensa em Juba, no Sudão do Sul, ao lado de Jean-Pierre Lacroix, que assumirá o cargo em abril. Foto: UNMISS

O subsecretário-geral da ONU para as Operações de Paz, Hervé Ladsous, em uma coletiva de imprensa em Juba, no Sudão do Sul, ao lado de Jean-Pierre Lacroix, que assumirá o cargo em abril. Foto: UNMISS

Em viagem ao Sudão do Sul, o subsecretário-geral da ONU para operações de paz da ONU, Hervé Ladsous, alertou nessa terça-feira (21) para a preocupante situação de segurança no país e pediu uma solução política urgente para a crise na região.

Segundo o alto funcionário da ONU, o número de sul-sudaneses deslocados não mostra sinais de desaceleração e várias regiões do país enfrentam insegurança alimentar.

“Não podemos esperar que uma solução venha através do uso de armas. É preciso uma solução política”, disse Ladsous durante coletiva de imprensa na capital Juba, ao lado de Jean-Pierre Lacroix, que assume o posto em abril.

Ladsous sublinhou a importância do acordo de paz assinado em 2015 pelo presidente Salva Kiir e pelos grupos de oposição, mas notou que existem preocupações sobre a implementação de uma resolução que terá pouco mais de dois anos.

Durante o encontro com o presidente do país, ele discutiu os desafios para a ação humanitária, incluindo os impedimentos para obter autorizações, bem como casos de agentes humanitários mortos ou feridos no trabalho.

Falando a jornalista, Ladsous disse que o primeiro grupo da força de proteção regional autorizada pelo Conselho de Segurança deve ser enviada a Juba nas próximas semanas.

“Mas a principal responsabilidade pela proteção dos civis é do governo. Não podemos ter um capacete-azul atrás de cada cidadão do Sudão do Sul. Estamos aqui para apoiar, facilitar e ajudar as autoridades nesse sentido”, frisou.