Em visita ao Paquistão, Guterres elogia demonstração de unidade religiosa

O secretário-geral da ONU, António Guterres, disse na terça-feira (18) ter ficado emocionado com a demonstração de unidade religiosa que testemunhou no Paquistão depois de visitar uma mesquita, um templo sikh e o Corredor de Kartarpur, a passagem livre que permite aos sikhs viajar entre locais sagrados de cada lado da fronteira Índia-Paquistão.

O secretário-geral da ONU, António Guterres, segue a tradição de lavar as mãos e os pés no santuário de Gurdwara Kartapur Sahib, na província de Punjab, no Paquistão. Foto: ONU/Mark Garten

O secretário-geral da ONU, António Guterres, segue a tradição de lavar as mãos e os pés no santuário de Gurdwara Kartapur Sahib, na província de Punjab, no Paquistão. Foto: ONU/Mark Garten

O secretário-geral da ONU, António Guterres, disse na terça-feira (18) ter ficado emocionado com a demonstração de unidade religiosa que testemunhou no Paquistão depois de visitar uma mesquita, um templo sikh e o Corredor de Kartarpur, a passagem livre que permite aos sikhs viajar entre locais sagrados de cada lado da fronteira Índia-Paquistão.

“Este é um momento muito emocionante. É maravilhoso ver o diálogo inter-religioso”, disse o secretário-geral da ONU, na última etapa de sua visita de três dias ao Paquistão, onde desde domingo (16) pede ações climáticas e elogia a iniciativa do país de receber refugiados afegãos, assim como suas contribuições para as forças de paz da ONU.

Falando à imprensa na cidade de Katarpur, sua parada no corredor, o chefe da ONU disse: “é maravilhoso ver hoje, no mesmo santuário, sikhs, muçulmanos, cristãos, talvez hindus — todos adorando em harmonia e em paz.”

Kartarpur é uma cidade localizada na província de Punjab (Paquistão), na margem direita do rio Ravi. Diz-se que foi fundada pelo primeiro guru do sikhismo, Guru Nanak, em 1.504 dC, onde ele estabeleceu a primeira comunidade. O nome significa “lugar de Deus”.

Para facilitar o acesso sem visto aos peregrinos sikh indianos, o Corredor de Kartarpur foi estabelecido em setembro de 2018.

O chamado “Corredor da Paz” foi inaugurado em 9 de novembro de 2019 na véspera do 550º aniversário de nascimento de Guru Nanak. O corredor liga Gurdwara Kartarpur Saheb a Gurdwra Dera Baba Nanak, do outro lado da fronteira na Índia.

Ecoando esse sentimento de unidade e tolerância religiosa, Guterres chamou o Corredor de Kartarpur de “corredor de esperança”. Ele também visitou um gurdwara, ou Templo Sikh, e a Mesquita Badshahi em Lahore, e acrescentou: “quando vemos tantas partes do mundo lutando em nome da religião, é necessário dizer que as religiões nos unem pela paz, e o melhor símbolo é este santuário”.

‘Diversidade é uma bênção, não uma ameaça’

O secretário-geral da ONU há muito defende a importância do diálogo inter-religioso e da harmonia inter-religiosa para alcançar sociedades pacíficas.

“Este é o melhor símbolo que podemos dar para um mundo em paz e para um mundo em que haja respeito mútuo e aceitação entre diferentes”, disse Guterres a jornalistas na terça-feira, enfatizando que “a diversidade é uma bênção, uma riqueza, não uma ameaça”.

O secretário-geral da ONU aproveitou a oportunidade para prestar homenagem à contribuição da comunidade sikh em todo o mundo: “sou cristão, mas me sinto muito em casa quando estou em um santuário sikh, onde posso orar a Deus aqui junto com a comunidade sikh.”

ONU comprometida em ajudar Paquistão a erradicar a pólio

No início do dia, o secretário-geral da ONU visitou o jardim de infância em Lahore, onde participou da primeira campanha nacional de poliomielite do ano, destacando a importância de erradicar a doença do país.

Na escola, conheceu Yasmin Raashiv, ministro da Saúde da província de Punjab, junto a vários profissionais de saúde. Enquanto estava lá, o chefe da ONU apelou a todos os líderes, incluindo líderes religiosos e comunitários, para apoiar totalmente o governo do Paquistão e outros governos ao redor do mundo, de forma a garantir que a poliomielite possa um dia ser totalmente erradicada.

Ele também administrou vacinas contra a poliomielite em três estudantes.

O Paquistão, com a ajuda de agências e doadores internacionais, avançou na erradicação da poliomielite. No entanto, 110 casos relatados desde janeiro de 2019 causaram preocupações.

Mais tarde, Guterres twittou: “ganhos importantes foram feitos, mas precisamos de um esforço conjunto para erradicar esta terrível doença”.

Diálogo ONU75 em Lahore

Entre suas demais atividades no dia, houve uma animada discussão com os alunos da Universidade de Ciências da Administração de Lahore (LUMS).

Lá, ele destacou a importância dos diálogos da ONU75 que ocorrerão este ano, observando que, para o 75º aniversário da Organização, ele gostaria de falar e ouvir os jovens.

Desde janeiro de 2020, a campanha ONU75 iniciou os diálogos em todos os ambientes — de salas de aula a salas de diretoria, parlamentos e prefeituras. O objetivo é atingir o maior número de pessoas possível: ouvir suas esperanças e medos; e aprender com suas ideias e experiências. Qualquer pessoa pode participar da conversa global — fisicamente ou online, individualmente ou em grupo, em todas as regiões do mundo.

Guterres enfatizou que, no próximo ano, a ONU quer fazer com que as vozes dos jovens “sejam contadas na maneira como as decisões são tomadas, em que estratégias são estabelecidas, políticas são definidas e ações são implementadas”.

Ele também afirmou que o objetivo não é apenas um diálogo durante o aniversário da Organização, mas “estabelecer mecanismos na ONU de diálogo institucional e participação institucional que permitam aos jovens influenciar a maneira como as Nações Unidas moldam suas intervenções, decisões e estratégias”.

“E por que é tão importante que os jovens participem efetivamente da maneira como moldamos as decisões hoje? A principal razão para mim é que minha geração falhou em muitos aspectos, mas falhou essencialmente em três questões básicas que determinarão o futuro”, disse Guterres, citando falhas na mudança climática, em fazer a globalização funcionar para todos e garantir que as novas tecnologias sejam uma força para o bem.

Finalmente, ele disse: “eu acredito que os jovens devem ter uma voz fundamental, mas não apenas uma voz fundamental, um papel fundamental na formação do nosso futuro comum. E quero fazer do aniversário da ONU75 o momento em que tentarei falar o mínimo possível e ouvir o máximo possível.”