Em visita à Colômbia, Conselho de Segurança da ONU reafirma apoio ao processo de paz do país

Em visita oficial à Colômbia na semana passada, uma delegação do Conselho de Segurança da ONU reafirmou o apoio ao processo de paz que pôs um fim ao conflito de 52 anos no país sul-americano.

Os representantes dos 15 Estados-membros do órgão se reuniram com o presidente colombiano, Juan Manuel Santos, que agradeceu o apoio e a assistência para alcançar um cessar-fogo na região.

O presidente colombiano Juan Manuel Santos (direita) cumprimenta o embaixador do Uruguai, Elbio Rosselli, (esquerda) no encontro com os membros do Conselho de Segurança da ONU. Foto: Missão da ONU/Juan Manuel Barrero.

O presidente colombiano Juan Manuel Santos (direita) cumprimenta o embaixador do Uruguai, Elbio Rosselli, (esquerda) no encontro com os membros do Conselho de Segurança da ONU. Foto: Missão da ONU/Juan Manuel Barrero.

Em visita oficial à Colômbia na semana passada, uma delegação do Conselho de Segurança da ONU reafirmou o apoio ao processo de paz que pôs um fim ao conflito de 52 anos no país sul-americano.

Os representantes dos 15 Estados-membros do órgão se reuniram com o presidente colombiano, Juan Manuel Santos, que agradeceu o apoio e a assistência das Nações Unidas para alcançar um cessar-fogo na região.

Segundo ele, a ajuda da Organização no processo de paz possibilitou que “mais de 2.670 vidas fossem salvas até agora”.

Falando a jornalista em Bogotá, o embaixador do Uruguai e presidente interino do Conselho, Elbio Rosselli, disse que “com o processo de pacificação da Colômbia, o continente americano é a única região em todo o mundo em que não há conflito ativo”.

“Agradecemos os exemplos que vocês estão dando. Esses processos nunca são lineares, eles têm altos e baixos e podem ter contratempos, mas o que importa é manter o esforço. Este Conselho está empenhado em fornecer o apoio que os colombianos querem e merecem”, afirmou.

A visita do Conselho ao país segue o anúncio da Missão das Nações Unidas na Colômbia sobre a expectativa de receber 60% de todas as armas das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (FARC).

No início deste ano, a ONU News informou que, em várias regiões do país, as FARC-EP e membros do governo, juntamente com 350 observadores da ONU, têm trabalhado em conjunto para verificar os compromissos das partes no cessar-fogo e na cessação das hostilidades.

Visita

Membros Conselho de Segurança visitaram na semana passada a “zona de normalização”, na região amazônica da Colômbia. Essa é uma área onde ocorreram conflitos entre as tropas militares colombianas e as FARC.

O objetivo foi acompanhar de perto a implementação do acordo de paz entre o governo colombiano as FARC, bem como observar o progresso e os desafios do processo.

Na ocasião, o embaixador do Uruguai, Elbio Rosselli, falou com os funcionários da ONU, representantes do governo e das FARC.

Ele agradeceu o trabalho realizado pelo grupo no processo de deposição das armas e reintegração dos ex-militantes à vida civil.

Rosselli demonstrou absoluta confiança do povo colombiano no processo de paz, e afirmou que “o acordo avança e não tem volta”. O embaixador disse ainda ao grupo de trabalhadores e observadores na região que “eles são as pessoas que transformaram sonhos em realidade”.

Esse local onde funciona o mecanismo de monitoramento na cidade de Meta, visitada pelos integrantes do Conselho de Segurança, é uma das áreas em que o governo e as FARC continuam cooperando para alcançar a paz.

O alto comissário do governo colombiano para a Paz, Sergio Jaramillo, lembrou que Meta foi uma das regiões mais atingidas pelos mais de 50 anos de guerra civil no país.

O líder da FARC, Iván Marquez, por sua vez, agradeceu ao Conselho de Segurança e destacou o respeito e a harmonia entre guerrilheiros, policiais e militares do exército que estão na região.