Em sessão de emergência, Conselho de Segurança pede cessar-fogo ‘imediato e incondicional’ em Gaza

Em reunião na madrugada desta segunda-feira (28), Conselho demonstrou “grave preocupação” com conflito que, até este domingo (27), havia matado 930, ferido 6.030 e desabrigado mais de 170 mil palestinos.

Destruição em Gaza, após bombardeios israelenses. Foto: ONU/Shareef SarhanEm uma sessão de emergência na madrugada desta segunda-feira (28), o Conselho de Segurança das Nações Unidas demandou um cessar-fogo “imediato e incondicional” para a Faixa de Gaza, permitindo a distribuição urgente da assistência humanitária necessária.

“O Conselho de Segurança pede aos envolvidos que se engajem em esforços para alcançar um cessar-fogo duradouro e mutuamente respeitado”, declarou o secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon, também pedindo que o acordo fosse implementado em respeito a data comemorativa muçulmana que marca o fim do período de jejum Ramadã e começa nesta segunda-feira.

A ofensiva militar em Gaza – região com 1,8 milhão de habitantes – já deixou mais de 930 palestinos mortos e seis mil feridos, de acordo com a Agência da ONU de Assistência aos Refugiados da Palestina (UNRWA). Mais de 170 mil pessoas foram deslocadas e forçadas a buscar abrigo em estabelecimentos administrados pelas Nações Unidas.

O Conselho expressou “grave preocupação” com a deterioração do cenário em Gaza e com a perda e danos contra vidas civis. Este seu mais novo alerta reforça o pedido feito anteriormente por Ban Ki-moon para a extensão do cessar-fogo humanitário entre palestinos e israelenses, que estava em efeito até a manhã deste último domingo (27).