Em SP, ONU pede incorporação de um milhão de mulheres no mercado de trabalho como empreendedoras

O pedido de ação desenvolvido através de consultas com governos, setor privado e sociedade civil compartilha uma visão comum de que empresas lideradas por mulheres podem ajudar o crescimento global, o desenvolvimento e a redução da pobreza.

Participantes do encontro de São Paulo. Foto: ITC

Participantes do encontro de São Paulo. Foto: ITC

O Centro Internacional de Comércio (ITC) da ONU lançou, nesta terça-feira (01), um pedido global para que líderes, governos e o setor privado trabalhem juntos para garantir que 1 milhão de mulheres entrem no mercado de trabalho como empreendedoras ou proprietárias de negócios até 2020. O apelo foi feito pela diretora executiva do ITC, Arancha González, durante a Cúpula Desbravadoras (Trailblazers summit), do Women Vendors Exhibition and Forum (WVEF), que acontece em São Paulo entre 1 e 3 de setembro.

O Pedido de Ação Trailblazers foi desenvolvido depois de extensas consultas com governos, o setor privado e a sociedade civil em todo o mundo. O resultado é uma entendimento partilhado de que incluir mais empresas lideradas por mulheres pode ajudar o crescimento global, o desenvolvimento e a redução da pobreza. Além disso, afirma o documento, assegurar o acesso aos mercados domésticos, regionais e internacionais dos negócios de propriedade de mulheres terá impacto local e global na criação de empregos e na diminuição da desigualdade de gênero.

O Pedido de Ação foca em oito pontos: coleta de dados, análise e difusão; política de mercado; contratos públicos; certificação; limitações da oferta; serviços financeiros; e direitos de propriedade. Em cada pilar, governos, negócios e outras organizações são desafiados a realizar promessas medíveis com as quais se possa entender e superar os obstáculos que enfrentam as mulheres empreendedoras, funcionárias e negócios de propriedade de mulheres.

“O resultado é um conjunto de objetivos robustos e de ação que são ambiciosos, porém alcançáveis. Vamos criar um mundo no qual as mulheres são iguais e onde as inovação feminina é bem-vinda”, afirma González.

Durante a cúpula, várias organizações fizeram suas promessas em direção da incorporação de 1 milhão de mulheres com negócios próprios no mercado até 2020.