Em Roraima, ONU orienta profissionais da organização sobre prevenção do HIV

Equipes da ONU que trabalham com a recepção de venezuelanos em Roraima participaram neste mês de dois encontros informativos sobre prevenção do HIV. As atividades foram realizadas pelo Fundo de População das Nações Unidas (UNFPA) em Boa Vista e também na cidade de Pacaraima, localizada na fronteira com a Venezuela. Setenta e duas pessoas receberam orientações sobre o tema.

Distribuição de contraceptivos e materiais de informação sobre HIV e Aids. Foto: UNFPA/UNFPA Brasil/Solange Souza

Contraceptivos e materiais de informação sobre HIV e Aids. Foto: UNFPA Brasil/Solange Souza

Equipes da ONU que trabalham com a recepção de venezuelanos em Roraima participaram neste mês de dois encontros informativos sobre prevenção do HIV. As atividades foram realizadas pelo Fundo de População das Nações Unidas (UNFPA) em Boa Vista e também na cidade de Pacaraima, localizada na fronteira com a Venezuela. Setenta e duas pessoas receberam orientações sobre o tema.

Os diálogos fazem parte do programa UN Cares (A ONU cuida, em tradução livre para o português), que oferece informações sobre HIV para funcionários das Nações Unidas no Brasil e no mundo.

Em emergências humanitárias, o UNFPA é a agência da ONU responsável por ações de promoção da saúde sexual e reprodutiva, com foco especial nas populações mais vulneráveis — como mulheres, gestantes e lactantes, pessoas LGBTI, idosos, indivíduos com alguma deficiência e pessoas que vivem com HIV.

O oficial de programa em HIV e Juventude do UNFPA, Caio Oliveira, avaliou como positivos os encontros com os colegas da Organização.

“Essas duas sessões foram muito importantes, houve um amplo debate com a audiência no que se refere ao esclarecimento de dúvidas sobre as formas de infecção, sobre os mitos envolvendo a temática e como buscar auxílio diante de uma situação de risco”, afirma o especialista, que ministrou as duas oficinas.

“Pudemos falar sobre os direitos que as pessoas vivendo com HIV têm e o que está disponível no Brasil sobre prevenção e tratamento, assim como todas as tecnologias envolvidas no processo, como preservativos femininos e masculinos, profilaxia pós-exposição, profilaxia pré-exposição e o próprio tratamento antirretroviral.”