Em parceria com a ONU, Reino Unido já recebeu 10,5 mil refugiados em quatro anos

Ao todo foram acolhidas 10.538 pessoas desde que o programa teve início – em janeiro de 2014 –, numa promessa de abrigar 20 mil refugiados até 2020. O Reino Unido já acolheu 28 mil crianças refugiadas desde 2010.

O refugiado sírio Mohammed com seus novos amigos na escola primária de Widden, em Gloucester. A escola apoia sete famílias de refugiados, incluindo 12 crianças. Foto: ACNUR/William Davies

O refugiado sírio Mohammed com seus novos amigos na escola primária de Widden, em Gloucester. A escola apoia sete famílias de refugiados, incluindo 12 crianças. Foto: ACNUR/William Davies

O governo britânico divulgou na quinta-feira (22) o número de refugiados que reassentou num programa com a Agência de Refugiados da ONU (ACNUR) e com a Organização Internacional para as Migrações (OIM).

Ao todo foram acolhidas 10.538 pessoas desde que o programa teve início – em janeiro de 2014 –, numa promessa de abrigar 20 mil refugiados até 2020.

O Sistema de Reassentamento de Pessoas Vulneráveis (VPRS, na sigla em inglês) é um dos maiores programas de reassentamentos já promovidos no país. Os números atuais representam um aumento de 19% se comparado a 2016.

O governo britânico informou que pretende reassentar até 3 mil crianças e suas famílias que enfrentam riscos no Oriente Médio ou no Norte da África.

Desde 2010, o Reino Unido já acolheu 28 mil crianças refugiadas.

A secretária do Interior britânica, Amber Rudd, visitou um acampamento de refugiados no Líbano, onde se reuniu com famílias que fugiram da Síria. Ele te reuniões com especialistas do ACNUR que atuam no local.

Rudd disse que o Reino Unido se orgulha de poder receber as pessoas que fogem da guerra. Segundo ela, mais refugiados devem chegar todos os meses.

O representante do ACNUR no Reino Unido, Gonzalo Vargas Llosa, elogiou o governo britânico por conseguir num curto período de tempo montar a estrutura para receber os refugiados. Ele destacou a colaboração entre o governo, as autoridades locais e outros envolvidos.

A OIM está ajudando com orientação cultural, exames de saúde e a viagem dos refugiados para o Reino Unido. O país é o segundo maior doador para ações de assistência humanitária e já prometeu o equivalente a quase US$ 3,5 bilhões em ajuda para a Síria e os países vizinhos.