Em NY, ONU inaugura memorial em homenagem às vítimas do comércio transatlântico de escravos

O monumento, que ficará na sede da Organização, é um tributo aos 15 milhões de homens, mulheres e crianças vítimas da maior migração forçada da história.

Detalhe do monumento em memória às vítimas da escravidão. Foto: ONU/Devra Berkowitz

Detalhe do monumento em memória às vítimas da escravidão. Foto: ONU/Devra Berkowitz

Para honrar as vítimas de uma das mais terríveis tragédias da história moderna, um monumento permanente em homenagem às vítimas da escravidão e do tráfico transatlântico de escravos será inaugurado na sede da Organização das Nações Unidas (ONU), em Nova York, nesta quarta-feira (25), marcando o Dia Internacional em Memória das Vítimas da Escravidão e do Comércio Transatlântico de Escravos.

Intitulado “A Arca do Retorno”, o memorial foi projetado por Rodney Leon, arquiteto norte-americano de descendência haitiana, que venceu uma competição com outros 310 candidatos de 83 países.

O monumento é um tributo aos 15 milhões de homens, mulheres e crianças vítimas da maior migração forçada da história, um reconhecimento das contribuições dos escravos e seus descendentes para o mundo e uma lembrança das mazelas causadas pela escravidão.

O memorial também busca uma maior conscientização dos perigos do racismo e das consequências da escravidão que ainda impactam nossa sociedade.

“É absolutamente vital que os perigos inerentes ao racismo estejam claros para todos”, disse o secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon. “A Arca do Retorno trará à tona para as pessoas em todo o mundo o terrível legado do tráfico de escravos. Isso nos ajudará a cicatrizar nossas feridas, enquanto nos lembramos do passado e honramos as vítimas.”

O tema do Dia Internacional em Memória das Vítimas da Escravidão e do Comércio Transatlântico de Escravos de 2015 é “Mulheres e Escravidão”, em uma homenagem às vítimas mulheres que lutaram bravamente pela liberdade e pela abolição.