Em Genebra, chefe de direitos humanos da ONU pede ‘medidas urgentes’ para promover educação de meninas

Garotas brincando no pátio da Escola Primária de Santo Niño, na cidade de Tanauan, nas Filipinas. Foto: UNICEF/Giacomo Pirozzi

Embora o empoderamento das mulheres tenha sido uma das conquistas mais importantes do século passado, a comunidade internacional deve “incentivar ainda mais” a luta para garantir o direito à educação para todas as meninas, declarou o chefe do escritório de direitos humanos da ONU nesta terça-feira (16).

“Investir na educação de meninas não é só a coisa certa a se fazer, é também a coisa inteligente a se fazer”, disse o alto comissário para Direitos Humanos, Zeid Ra’ad Al Hussein, ao participar de um painel de discussão relativo à realização do benefício equitativo sobre o direito a educação para todas as meninas, realizado no escritório da ONU em Genebra, Suíça.

De acordo com estudo recente de Estatísticas sobre Mulheres apoiado pelas Nações Unidas em 174 Estados-membros, o melhor indicador para um país considerado “pacífico” não é sua riqueza ou a estrutura política, mas o bem-estar e educação de mulheres e meninas.

Quase um terço de todos os países do mundo continuam a mostrar defasagem na paridade entre meninos e meninas no ensino básico. “Investir na educação não é só a coisa certa a fazer, mas também a mais inteligente”, disse Zeid, citando que o investimento em educação feminina traz maior estabilidade, melhor resultados de saúde por gerações e um aumento do crescimento econômico.