Em fórum na China, chefe da ONU pede desenvolvimento ‘inclusivo, sustentável e durável’

O plano da China para comércio internacional e desenvolvimento econômico, conhecido como a Iniciativa do Cinturão e Rota, pode contribuir para um mundo mais equitativo e próspero, além de reverter o impacto negativo da mudança climática. A afirmação foi feita nesta sexta-feira (26), em Pequim, pelo secretário-geral das Nações Unidas, António Guterres.

Em discurso na presença do presidente chinês, Xi Jinping, e dezenas de outros líderes estatais no segundo fórum da iniciativa, Guterres pediu para a comunidade internacional se juntar para mobilizar recursos para implementação dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS).

Secretário-geral da ONU, António Guterres, falou na abertura de fórum de cooperação internacional em Pequim, China. Foto: ONU China/Zhao Yun

Secretário-geral da ONU, António Guterres, falou na abertura de fórum de cooperação internacional em Pequim, China. Foto: ONU China/Zhao Yun

O plano da China para comércio internacional e desenvolvimento econômico, conhecido como a Iniciativa do Cinturão e Rota, pode contribuir para um mundo mais equitativo e próspero, além de reverter o impacto negativo da mudança climática. A afirmação foi feita nesta sexta-feira (26), em Pequim, pelo secretário-geral das Nações Unidas, António Guterres.

Em discurso na presença do presidente chinês, Xi Jinping, e dezenas de outros líderes estatais no segundo fórum da iniciativa, Guterres pediu para a comunidade internacional se juntar para mobilizar recursos para implementação dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS).

“A liderança chinesa sobre ação climática está ajudando a mostrar o caminho”, disse o chefe da ONU, destacando o investimento de 125 bilhões de dólares em energias renováveis feito pelo governo em 2017.

Guterres prometeu o apoio de equipes nacionais das Nações Unidas – que abrangem agências da ONU, fundos e programas operando em um país –, lembrando que os pilares da iniciativa se ligam aos 17 ODS, que incluem o fim da extrema pobreza e da fome.

Isto também significa ajudar a fechar as lacunas financeiras para alcançar os ODS, afirmou, destacando que quase 1 trilhão de dólares é necessário para investimentos em infraestruturas em países em desenvolvimento.

Olhando de forma global, Guterres afirmou que os países precisam encontrar uma maneira para fazer uma transição da “economia cinza insustentável e movida a combustíveis fósseis para um futuro de energia limpa, verde e de baixa emissão de carbono”.

Destacando que ao menos 75% das infraestruturas que o mundo precisa até 2050 ainda têm de ser ser construídas, Guterres elogiou a China por seus investimentos em tecnologias e na criação de empregos na área de energias renováveis.

“Vejo a Iniciativa do Cinturão e Rota como um espaço importante onde princípios verdes podem ser refletidos em ações verdes”, disse ao fórum.

Mais cedo, ele destacou que, agora, há “uma oportunidade única de construir uma nova geração de cidades e sistemas de trânsito centrados em pessoas, e redes de energia que priorizem baixas emissões e sustentabilidade”.

Em Pequim, Guterres e o subsecretário-geral da ONU para Assuntos Econômicos e Sociais, Liu Zhenmin, se encontrou com o presidente Xi e outras autoridades. No sábado (27), ele participou de uma mesa-redonda sobre a promoção do desenvolvimento verde e sustentável.


Comente

comentários