Em feira agrícola no DF, projeto da ONU apresenta produtos feitos a partir do extrativismo sustentável

AUMENTAR LETRA DIMINUIR LETRA

Castanha-do-pará, farinha de babaçu, geleia e compotas de umbu feitos a partir do extrativismo sustentável e da agricultura familiar. Esses são os produtos que o projeto Bem Diverso — uma iniciativa do Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD) — apresenta até o próximo domingo (20) na 10ª edição do AgroBrasília, a Feira Internacional dos Cerrados. Objetivo é levar tema da gestão sustentável de recursos naturais para empreendedores do agronegócio.

Geleia de umbu é um dos produtos expostos pelo Bem Diverso no AgroBrasília. Foto: PNUD

Geleia de umbu é um dos produtos expostos pelo Bem Diverso no AgroBrasília. Foto: PNUD

Castanha-do-pará, farinha de babaçu, geleia e compotas de umbu feitos a partir do extrativismo sustentável e da agricultura familiar. Esses são os produtos que o projeto Bem Diverso — uma iniciativa do Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD) — apresenta até o próximo domingo (20) na 10ª edição do AgroBrasília, a Feira Internacional dos Cerrados.

A participação do Bem Diverso no evento busca mostrar a variedade de produtos provenientes da Amazônia, do cerrado e da caatinga. A feira, que acontece no Parque Tecnológico Ivaldo Cenci, é realizada pela Cooperativa Agropecuária da Região do Distrito Federal (COOPA-DF) e tem como público-alvo empreendedores rurais de diversos portes.

“A AgroBrasília tem como foco principal o agronegócio e, por isso, a presença do projeto Bem Diverso neste evento é uma forma de trazer a discussão sobre a importância da produção e prática agroecológica, bem como a valorização do saber tradicional e local para esses espaços”, explica a gerente da iniciativa no PNUD, Patrícia Benthien.

Os produtos expostos foram feitos a partir do manejo sustentável praticado por comunidades tradicionais — como os geraizeiros do norte de Minas Gerais, as quebradeiras de coco do Maranhão, os extrativistas de castanha do Acre, entre outros.

“A ideia é mostrar que há iniciativas sustentáveis de produção que fazem uso responsável da nossa biodiversidade como alternativas de geração de renda, melhoria da qualidade de vida, além de promover a conservação ambiental”, afirma o assessor técnico do projeto, Fernando Moretti.

O Bem Diverso é fruto da parceria entre a Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (EMBRAPA) e o PNUD e conta com recursos do Fundo Global para o Meio Ambiente (GEF). O projeto atua em seis Territórios da Cidadania, localizados em três biomas brasileiros, e dá apoio às atividades de agricultores familiares e comunidades tradicionais para difundir práticas de manejo sustentável dos recursos naturais.

Conheça os produtos do Bem Diverso clicando aqui.


Mais notícias de:

Comente

comentários