Em evento da ONU, países discutem em Viena parcerias para desenvolvimento industrial

AUMENTAR LETRA DIMINUIR LETRA

Representantes governamentais dos seis Programas de Parceria entre Países (PCPs) discutiram suas experiências e conquistas, bem como a visão para o futuro, em uma sessão do Sétimo Fórum de Desenvolvimento Industrial Inclusivo e Sustentável (ISID) realizado na semana passada (27) em Viena.

O evento foi promovido pela Organização das Nações Unidas para o Desenvolvimento Industrial (UNIDO), paralelamente à 46ª sessão do Conselho de Desenvolvimento Industrial da entidade.

O evento foi promovido pela Organização das Nações Unidas para o Desenvolvimento Industrial (UNIDO), paralelamente à 46ª sessão do Conselho de Desenvolvimento Industrial da entidade. Foto: UNIDO

O evento foi promovido pela Organização das Nações Unidas para o Desenvolvimento Industrial (UNIDO), paralelamente à 46ª sessão do Conselho de Desenvolvimento Industrial da entidade. Foto: UNIDO

Representantes governamentais de alto nível dos seis Programas de Parceria entre Países (PCPs) discutiram suas experiências e conquistas, bem como a visão para o futuro, em uma sessão do Sétimo Fórum de Desenvolvimento Industrial Inclusivo e Sustentável (ISID) realizado na semana passada (27) em Viena.

O evento foi promovido pela Organização das Nações Unidas para o Desenvolvimento Industrial (UNIDO), paralelamente à 46ª sessão do Conselho de Desenvolvimento Industrial da entidade.

“A UNIDO operacionaliza o PCP em primeiro lugar como uma parceria, que é detida e liderada pelo respectivo país. A abordagem PCP se esforça para ampliar o impacto de nossas intervenções técnicas alavancando as finanças públicas e o investimento privado em setores-chave, aqueles que geram empregos e ajudam as economias nacionais a crescer”, disse o diretor-geral da UNIDO, LI Yong, ao abrir o evento.

Atualmente, existem seis PCPs em andamento – Camboja, Etiópia, Quirguistão, Marrocos, Peru e Senegal – todos em diferentes estágios de desenvolvimento. Para 2019, o secretariado da UNIDO concordou, a princípio, em iniciar a formulação do programa para quatro novos PCPs: Costa do Marfim, Egito, Ruanda e Zâmbia.

Importantes marcos já foram alcançados no desenvolvimento de projetos industriais emblemáticos nos primeiros PCPs lançados: Etiópia e Senegal. Falando sobre o impacto desde a introdução do PCP, Admasu Nebebe, ministro das Finanças e da Cooperação Econômica da Etiópia, disse: “anteriormente, nossos parceiros apoiavam o setor industrial de uma maneira muito fragmentada, mas agora temos uma parceria interministerial e uma força-tarefa que coordena esta parceria através do Ministério das Finanças. Isso nos ajudou a dar sinergia e coordenar nossas intervenções, mobilizar mais recursos e obter mais interesse dos parceiros”.

A Etiópia testemunhou grandes progressos no estabelecimento de quatro parques agro-industriais integrados, uma iniciativa prioritária do PCP. No Senegal, o parque industrial Diamniadio, também apoiado pelo PCP, foi recentemente inaugurado pelo presidente Macky Sall e conta com várias empresas internacionais e nacionais já em operação.

Como parte dos mais novos PCPs, Emil Osmonbetov, presidente do Comitê Estadual de Indústria, Energia e Uso do Subsolo do Quirguistão, falou sobre o caminho de reindustrialização do país e o apoio da UNIDO na formulação de uma Estratégia Nacional para o Desenvolvimento Industrial. “A estratégia foi totalmente projetada de acordo com a estratégia nacional 2040, onde um grande bloco foi dedicado ao desenvolvimento industrial do país. O Quirguistão tem grandes expectativas sobre isso”, disse Osmonbetov.

Javier Dávila Quevedo, vice-ministro da Indústria e Pequenas e Médias Empresas do Ministério da Produção do Peru, enfatizou que “o PCP contribui significativamente para a modernização e sustentabilidade da indústria peruana, facilitando parcerias e esforços multissetoriais e agregando valor ao nosso compromisso para o desenvolvimento industrial com abordagens inovadoras e ecológicas”.

O marroquino Youssef El Bari, secretário-geral do Ministério da Indústria, Investimento, Comércio e Economia Digital, e o embaixador e representante permanente do Camboja na Organização Mundial do Comércio (OMC), Bunthon Thay, também representaram novos países do PCP, que ainda estão em fase de programação.

Intitulada “Insights from PCP countries”, a sessão foi moderada pela jornalista e âncora de telejornal, Sarah Kelly. Com base nesta sessão, a UNIDO pretende realizar um Sétimo Fórum ISID à margem da 18ª Conferência Geral em 2019.


Mais notícias de:

Comente

comentários