Em evento da ONU, Brasil anuncia expansão de serviço de proteção às brasileiras no exterior

Na abertura da 59ª Sessão da Comissão sobre a Situação das Mulheres, secretário-geral da ONU afirma que as mulheres devem estar no centro da nova agenda de desenvolvimento.

Estrelas da música, cinema, lideranças políticas e sociedade civil participam do lançamento da ação Planeta 50-50 antes de 2030: Dar o passo pela igualdade de gênero. Foto: ONU Mulheres

Estrelas da música, cinema, lideranças políticas e sociedade civil participam do lançamento da ação Planeta 50-50 antes de 2030: Dar o passo pela igualdade de gênero. Foto: ONU Mulheres

A representante da Secretaria de Políticas para as Mulheres da Presidência da República do Brasil (SPM/PR), Linda Goulart, declarou em entrevista à Rádio ONU na última terça-feira (10) que a violência contra as mulheres é uma das principais preocupações do governo, não só no Brasil mas também no exterior.

“Um serviço que atende mulheres, que nós chamamos de Ligue 180, em que a mulher pode ligar para esse número e a denúncia é feita imediatamente aos órgãos responsáveis. E este número inclusive foi expandido para 15 países. Nós antes atendíamos Portugal, Espanha e Itália e agora nós estamos atendendo mais 12 países. Isso mostra que estamos preocupados em atender as mulheres tanto do Brasil como as mulheres brasileiras no exterior também.”

A secretária executiva, que participa da 59ª sessão da Comissão sobre a Situação das Mulheres (CSW59), em Nova York, explicou que a SPM entra em contato com a Polícia Federal e, junto com o Ministério das Relações Exteriores, acionam a polícia do país de onde foi feita a denúncia, para que a mulher possa ser protegida e o agressor preso.

Na abertura da CSW59, o secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon, afirmou que “as mulheres devem estar no centro da nova agenda de desenvolvimento, se queremos que esta seja verdadeiramente transformadora, já que se elas prosperam, todos nós avançamos”.

Iniciado em 9 de março, o encontro terminará no dia 20. Durante este período, os participantes analisarão o cumprimento das metas da Plataforma de Ação de Pequim, que completa 20 anos em 2015.

O secretário-geral sinalizou que desde a adoção da plataforma foram produzidos avanços, embora inaceitavelmente lentos. Para ele, urge trabalhar para o alcance da igualdade de gênero durante o prazo estabelecido pela nova agenda de desenvolvimento pós-2015. E completou: “O objetivo deve ser alcançar a paridade de 50-50 até 2030”.

Acompanhe o evento em www.unwomen.org/en/csw/csw59-2015www.onumulheres.org.br