Em dia mundial, ONU lembra 70 anos da criação de missões de paz

AUMENTAR LETRA DIMINUIR LETRA

Em mensagem para o Dia Internacional dos Trabalhadores das Forças de Paz, observado nesta terça-feira (29), o secretário-geral António Guterres lembrou os 70 anos da primeira missão de paz criada pelas Nações Unidas, no Oriente Médio. Data, afirmou o chefe da Organização, é também uma oportunidade para honrar os mais de 3,7 mil capacetes-azuis mortos em serviço. Atualmente, a ONU mantém 14 missões de paz.

Em mensagem para o Dia Internacional dos Trabalhadores das Forças de Paz, observado nesta terça-feira (29), o secretário-geral António Guterres lembrou os 70 anos da primeira missão de paz criada pelas Nações Unidas, no Oriente Médio. Data, afirmou o chefe da Organização, é também uma oportunidade para honrar os mais de 3,7 mil capacetes-azuis mortos em serviço.

Atualmente, a ONU mantém 14 missões de paz, com quase 88 mil soldados, 12,8 mil civis e 1,3 mil voluntários.

“Em 29 de maio de 1948, o Conselho de Segurança das Nações Unidas autorizou a primeira operação de manutenção da paz das Nações Unidas – a Organização de Supervisão da Trégua da ONU no Oriente Médio. Neste 70º aniversário, expressamos nossa gratidão aos mais de 1 milhão de homens e mulheres que serviram sob a bandeira da ONU, salvando incontáveis vidas”, afirmou o dirigente máximo do organismo internacional.

Desde a primeira operação de paz, outras 70 foram criadas pelas Nações Unidas.

Tropas da Organização de Supervisão da Trégua da ONU no Oriente Médio. Foto: ONU/JG

Tropas da Organização de Supervisão da Trégua da ONU no Oriente Médio. Foto: ONU/JG

O secretário-geral está em Bamako, capital do Mali, para as atividades que marcarão o dia mundial. Segundo o chefe da ONU, a viagem ao país africano tem por objetivo “expressar minha solidariedade com os colegas que enfrentam altas baixas e uma enorme volatilidade”.

A Missão de Paz da ONU no Mali, conhecida pela sigla MINUSMA, é considerada a mais perigosa da ONU. No ano passado, 21 soldados e sete civis perderam a vida em serviço.

Guterres visitará algumas regiões do país e se encontrará com grupos de jovens, mulheres e religiosos. O secretário-geral se reunirá com o presidente malês, Ibrahim Boubacar Keïta, e o primeiro-ministro, Soumeylou Boubèye Maïga, além de conhecer funcionários da ONU. Em solidariedade ao mês de jejum dos muçulmanos, o Ramadã, o chefe da ONU disse que também observará a prática.

O dirigente está acompanhado da diretora-executiva do Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF), Henrietta Fore, e do subsecretário-geral para operações de paz, Jean-Pierre Lacroix.

“Ao reconhecemos um legado de serviço e sacrifício em todo o mundo, também estou comprometido em agir pela manutenção da paz – uma ação para tornar nossas operações mais seguras e eficazes nos ambientes desafiadores de hoje”, acrescentou Guterres em pronunciamento para a data.

Neste dia, disse, “honramos os mais de 3,7 mil capacetes-azuis que pagaram o preço final” em missões em todo o mundo.

O dirigente também reiterou seu compromisso em fortalecer o papel das forças de paz na promoção dos direitos humanos e no combate à exploração e abuso sexuais.

“A manutenção da paz das Nações Unidas é um investimento comprovado na paz, segurança e prosperidade globais. Juntos, comprometemo-nos a fazer tudo o que pudermos para permitir que essa missão seja bem-sucedida”, concluiu Guterres.


Comente

comentários