Em dia contra a homofobia, UNAIDS pede parcerias pelo fim da discriminação

AUMENTAR LETRA DIMINUIR LETRA

Na ocasião do Dia Internacional contra a Homofobia, Transfobia e Bifobia (IDAHOT), lembrado na quinta-feira (17), o Programa Conjunto das Nações Unidas sobre HIV/AIDS (UNAIDS) pediu o fortalecimento de parcerias para apoiar lésbicas, gays, bissexuais, pessoas trans e intersexuais (LGBTI) e suas famílias vivendo com HIV ou enfrentando discriminação.

“O estigma, a discriminação e a violência social e física contra as minorias sexuais e de gênero impedem que essas pessoas tenham acesso aos serviços de saúde”, disse Michel Sidibé, diretor-executivo do UNAIDS. “Todas as pessoas têm direito à saúde, independentemente da orientação sexual ou identidade de gênero. Para isso, precisamos de zero discriminação para todos, em todos os lugares.”

Na ocasião do Dia Internacional contra a Homofobia, Transfobia e Bifobia (IDAHOT), lembrado na quinta-feira (17), o Programa Conjunto das Nações Unidas sobre HIV/AIDS (UNAIDS) pediu o fortalecimento de parcerias para apoiar lésbicas, gays, bissexuais, pessoas trans e intersexuais (LGBTI) e suas famílias vivendo com HIV ou enfrentando discriminação.

“O estigma, a discriminação e a violência social e física contra as minorias sexuais e de gênero impedem que essas pessoas tenham acesso aos serviços de saúde”, disse Michel Sidibé, diretor-executivo do UNAIDS. “Todas as pessoas têm direito à saúde, independentemente da orientação sexual ou identidade de gênero. Para isso, precisamos de zero discriminação para todos, em todos os lugares.”

Homens gays e outros homens que fazem sexo com homens e mulheres trans estão entre as populações mais afetadas pelo HIV em todo o mundo.

Mais de 40% dos países criminalizam relações sexuais entre pessoas do mesmo sexo. A criminalização com base em gênero ou orientação sexual coloca as pessoas à margem da sociedade e distantes do alcance dos serviços sociais e de saúde essenciais, tornando-as vulneráveis ​​a problemas de saúde e falta de moradia.

Para acabar com a AIDS, é essencial assegurar que as pessoas possam ter acesso às tecnologias de prevenção do HIV, incluindo preservativos e PrEP (profilaxia pré-exposição), e tratamento e apoio relacionados ao HIV livres de discriminação.

A ONU Mulheres, o Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD) e o UNAIDS estão trabalhando com a Rede Global de Pessoas Vivendo com o HIV para acabar com todas as formas de estigma e discriminação relacionados ao HIV. A iniciativa irá exigir um rápido apoio multissetorial e liderança da sociedade civil, contribuindo para que os Estados-membros da ONU consigam cumprir, dentro do prazo, os compromissos assumidos para acabar com a AIDS como ameaça à saúde pública até 2030.

Aumentar o compromisso político e os investimentos em saúde e bem-estar das pessoas mais vulneráveis ​​da sociedade irá ajudar a garantir que ninguém seja deixado para trás.

O IDAHOT é uma celebração mundial da diversidade sexual e de gênero. O tema deste ano é ‘Alianças de solidariedade para trazer respeito às pessoas LGBTI e suas famílias’.


Mais notícias de:

Comente

comentários