Em Davos, ONU e parceiros globais unem forças para conectar os desconectados até 2020

Segundo agência da ONU, mais de 4 bilhões de pessoas ainda permanecem fora da Internet. Assunto foi debatido durante o Fórum Econômico Mundial.

Foto: Gerard Romans Camps/Flickr

Foto: Gerard Romans Camps/Flickr

Um novo diálogo global focado em conectar à Internet as 1,5 bilhão de pessoas não conectadas foi debatida em uma sessão especial da Comissão de Banda Larga das Nações Unidas para o Desenvolvimento Sustentável, realizada no Fórum Econômico Mundial, em Davos, nesta quinta-feira (21).

A sessão foi parte dos esforços da Comissão para criar uma dinâmica e chegar aos líderes mundiais para impulsionar a questão da conectividade de banda larga para o topo da agenda global. É a primeira vez que tantos líderes mundiais afirmam a importância vital da banda larga para o crescimento nacional e se unem em torno de uma visão comum de banda larga.

A sessão reuniu membros da Comissão, bem como líderes proeminentes de governos, da indústria e do setor financeiro, incluindo do Banco Mundial. Eles participaram de um intenso debate em torno de desafios de investimento ligados à construção de infraestrutura de banda larga em comunidades pobres em todo o mundo.

Um novo documento para o debate, desenvolvido pela União Internacional de Telecomunicações da ONU (UIT) como uma contribuição para o trabalho da Comissão e apresentado na sessão, estima que será necessário um investimento global de 450 bilhões de dólares em infraestrutura de rede para conectar o próximo bilhão e meio de pessoas não conectadas em todo o mundo.

O documento analisa as principais razões para a falta de conectividade – como faltas de infraestrutura, serviços a preços acessíveis, habilidades online e conteúdos digitais adequados. A estimativa é baseada em pesquisa da própria da Comissão de Banda Larga e estudos recentes realizados por organismos governamentais, como a Comissão Europeia, organismos globais como o Banco Mundial e organismos da indústria de telefonia móvel.

O documento está aberto para comentários dos parceiros e peritos, que são convidados a enviar suas contribuições para broadbandcommission@itu.int

A sessão realizada em Davos contou ainda com o lançamento de uma declaração conjunta do grupo denominado “Trabalhando juntos para fornecer acesso à Internet para o próximo 1,5 bilhão em 2020”. A declaração assinala que apenas 3,2 bilhões de pessoas têm acesso à Internet no momento, enquanto 4,2 bilhões de pessoas permanecem “offline”. Nos 48 países menos desenvolvidos, segundo os critérios da ONU, a penetração da Internet é inferior a 10%, caindo para menos de 2% em seis das nações mais desfavorecidas do mundo.

A declaração conjunta promete um esforço global coordenado para conectar 60% da população mundial à Internet até o ano de 2020, de acordo com uma agenda de ação da UIT aprovada pelos seus 193 Estados-membros em 2014.

O texto também destaca a importância de promover o acesso “significativo”, de modo que todos os conectados possam tirar o máximo proveito do mundo online. Atualmente, afirma a agência da ONU, apenas 5% dos idiomas do mundo estão representados online, um total estimado de 781 milhões de adultos são analfabetos e 100 milhões de crianças não completaram o ensino primário. Segundo a ONU, este quadro ajuda a promover grandes “bolsões” de pessoas “digitalmente excluídas”.

A edição de 2015 do relatório da Comissão de Banda Larga confirma que há uma falha em promover a Internet para aqueles que poderiam se beneficiar mais. Os progressos têm sido vistos em países mais riscos, alertou a ONU, mas não avançam com a mesma rapidez para bilhões de pessoas vivendo no mundo em desenvolvimento – especialmente em áreas rurais e remotas. Outras informações e links detalhados dos documentos em http://bit.ly/1nqx5FN