Em Brasília, ONU e missões diplomáticas realizam 3º Festival Internacional de Cinema LGBTI

AUMENTAR LETRA DIMINUIR LETRA

Com sessões gratuitas, mostra tem início na próxima semana (18) e leva para o SESC Presidente Dutra 13 longas-metragens de diferentes nacionalidades. Também serão exibidos cinco curtas da campanha Livres & Iguais das Nações Unidas, que apresentará o vídeo inédito ‘O ativismo salva vidas’.

Imagem do filme "Tom of Finland", de Dome Karukoski. Imagem: Protagonist Pictures

Imagem do filme “Tom of Finland”, de Dome Karukoski. Imagem: Protagonist Pictures

No Mês Internacional do Orgulho LGBTI, a ONU Brasil e missões diplomáticas promovem em Brasília o terceiro Festival Internacional de Cinema LGBTI. Com todas as sessões gratuitas, a mostra tem início na próxima semana (18) e leva para o SESC Presidente Dutra 13 longas-metragens de diferentes nacionalidades. Também serão exibidos cinco curtas da campanha Livres & Iguais das Nações Unidas, que apresentará o vídeo inédito O ativismo salva vidas.

A abertura do festival terá a participação do coordenador-residente da ONU Brasil Niky Fabiancic. Na mesma ocasião, a campanha Livres & Iguais lança o vídeo O ativismo salva vidas, com pessoas trans que enfrentam a discriminação e defendem os direitos humanos da população LGBTI. Depoimentos mostram como a luta pela igualdade transforma comunidades e a vida dos amigos, além de inspirar outros indivíduos a se tornarem aliados.

Em 2018, o festival internacional chega a sua terceira edição com quatro documentários e nove filmes de ficção. Na programação, está o longa Tom of Finland, que abrirá a mostra. Dirigida pelo premiado cineasta Dome Karukoski, a obra conta a história do artista Touko Valio Laaksonen. Tom of Finland foi nomeado para o Prêmio do Júri de Melhor Longa Narrativo Internacional, do Festival de Tribeca de 2017.

Imagem: 3º Festival Internacional de Cinema LGBTI

Imagem: 3º Festival Internacional de Cinema LGBTI

Outros destaques incluem o documentário A Morte e Vida de Marsha P. Washington, sobre a ativista e ícone dos protestos de Stonewall, e Gayby Baby, que acompanha a vida de crianças criadas por casais de gays e lésbicas.

Os organizadores do festival apontam que, nessas duas décadas do século XXI, filmes com a temática LGBTI floresceram. Se historicamente o cinema de ficção associava pessoas LGBTI a personagens secundárias, com papéis veiculando clichês ou situações que não retratavam a realidade vivida, as produções atuais refletem mudança notável na complexidade das intrigas e na ambição dos filmes. Afinal, o cinema é um espelho que pode mudar o mundo.

Com exibições até o dia 24, a mostra é coordenada pela Embaixada da Espanha e realizada em parceria com as embaixadas da Alemanha, Austrália, Bélgica, Dinamarca, Estados Unidos, Finlândia, França, Irlanda, Países Baixos, Reino Unido, Suécia e Uruguai. O festival conta com o apoio da ONU, Brasília Orgulho, Instituto Cervantes, SESC, Todxs e Institut Français.

Arte contra a violência

As instituições lembram que essa celebração dos direitos das pessoas LGBTI por meio do cinema ocorre em um contexto de aumento da violência e da discriminação no Brasil. De acordo com dados da Transgender Europe e da Rede Trans Brasil, o país tem o maior número absoluto de assassinatos de pessoas transexuais — entre 1º de janeiro de 2008 e 31 de dezembro de 2016, foram 938 homicídios, o que representa 51% de todas as 1.834 mortes registradas nas Américas do Sul e Central, no mesmo período.

Em solo brasileiro, a LGBTfobia mata uma pessoa a cada 19 horas, segundo a ONG Grupo Gay da Bahia (GGB). Em 2017, a instituição contabilizou 387 homicídios e 58 suicídios. Somados, os números representam um crescimento de 30% na comparação com 2016.

Com o festival, as missões diplomáticas e parceiros homenageiam os membros da comunidade LGBTI que morreram em decorrência de crimes de ódio ou de complicações relacionadas a doenças sexualmente transmissíveis. Os responsáveis pelo evento reafirmam o seu compromisso com a igualdade e a dignidade de todos os seres humanos, independentemente da sua orientação sexual, identidade de gênero ou status sexual.

Confira o folder do festival com a programação e mais informações sobre os filmes clicando aqui.

Participe do evento do festival no Facebook clicando aqui.

Confira a programação abaixo:

Abertura
Segunda-feira, 18 de junho
19h30 – Cerimônia de abertura
20h – Filme: Tom of Finland

Programação
18/06 – 20h – Tom of Finland
19/06 – 19h – Gayby Baby
20/06 – 19h – O Bella Vista / 20h20 – Ursinho
21/06 – 19h – Rosa Morena
22/06 – 18h30 – A Morte e Vida de Marsha P. Washington / 20h30 – Garotas Perdidas
23/06 – 16h – Diferente dos Outros / 17h – A Rainha da Irlanda / 18h45 – O Padre
24/06 – 15h – Barcelona. Noite de Verão / 16h45 – Sou Todo Teu / 18h30 – Transit Havana


Mais notícias de:

Comente

comentários