Eleições presidenciais no Mali são domingo: ONU pede participação dos 173 mil refugiados que vivem fora do país

Foto: Refugiados do Mali na Mauritânia.Foto: ACNUR / B. Malum

Com o primeiro turno das eleições presidenciais do Mali agendadas para domingo (28), o Alto Comissariado das Nações Unidas para Refugiados (ACNUR) pediu rapidez na distribuição dos cartões eleitorais nos Estados vizinhos para os votantes que estão fora do país.

“Isto é especialmente importante, porque campos e locais de refugiados estão situados em áreas remotas, onde o acesso pode se tornar difícil com a estação chuvosa agora chegando,” disse o porta-voz do ACNUR, Adrian Edwards, a jornalistas em Genebra, na Suíça.

Edwards acrescentou que as autoridades do Mali já pensam em alternativas para promover o voto dos refugiados em caso de novos atrasos no pleito. “O ACNUR está preocupado que somente um pequeno número de nomes de refugiados interessados ​​na votação foram encontrados no registro eleitoral”.

Burkina Faso, Mauritânia e Níger são anfitriões para alguns dos 173 mil refugiados que fugiram do Mali, na sequência de uma rebelião de grupos étnicos tuaregues e uma violenta insurreição de extremistas islâmicos que deslocou centenas de milhares de pessoas durante 2012.

O porta-voz ressaltou que, em junho, o ACNUR realizou pesquisas formais e informais nas principais áreas de refugiados através de grupos de discussão para explicar a neutralidade da agência no processo eleitoral. As pesquisas demonstraram que os refugiados eram, em geral, a favor de serem incluídos nas votações, que tinham bom conhecimento da situação do Mali e alguns acreditam que o pleito vai trazer paz e estabilidade, algo fundamental na decisão de voltar ao país.