Educação sexual na agenda de Guiné-Bissau

UNESCO em Dakar e Brasília organizaram seminário para apoiar Guiné-Bissau na implantação de currículo de educação sexual em escolas primárias e secundárias.

UNESCO Dakar e a UNESCO Brasília organizaram um seminário para apoiar o Ministério da Educação de Guiné-Bissau na implantação de currículo abrangente de educação sexual nas escolas primárias e secundárias.Apenas cerca de 7% dos jovens em Guiné-Bissau identificavam corretamente como o HIV era transmitido, segundo uma pesquisa realizada em 2006, e quase metade dos jovens já tiveram relações sexuais aos 15 anos de idade.

“A necessidade de dar aos jovens uma educação sexual é evidente e urgente”, afirma Xavier Hospital, da equipe regional de HIV e da AIDS da UNESCO, sediada em Dakar, Senegal.

Diante do problema, a UNESCO Dakar e a UNESCO Brasília organizaram um seminário para apoiar o Ministério da Educação de Guiné-Bissau na implantação de currículo abrangente de educação sexual nas escolas primárias e secundárias.

O seminário foi realizado desde o dia 8 de setembro até hoje (16/9) na capital da Guiné-Bissau. A meta é melhorar o papel do setor da educação na prevenção de doenças sexualmente transmissíveis, violência de gênero e gravidez na adolescência.

Inspiração brasileira

O seminário reúne técnicos e treinadores que desenham currículos ou capacitam professores. Ele é amplamente baseado no exitoso programa brasileiro Saúde e Prevenção nas Escolas. Especialistas e representantes brasileiros dos Ministérios da Educação e da Saúde mediam as sessões. “O projeto é um ótimo exemplo de cooperação Sul-Sul”, afirma Xavier Hospital.

A UNESCO Dakar e a UNESCO Brasília cooperam desde 2006 para fornecer apoio técnico aos países africanos de língua portuguesa, ajudando a desenvolver uma resposta forte do setor de educação ao HIV e à AIDS. “A parceria permitiu o desenvolvimento de intercâmbios valiosos entre esses países e seus respectivos ministérios”, disse Hospital.

Um seminário semelhante ocorrerá em Cabo Verde, em novembro.

O projeto também inclui análise de currículos, apoio para o desenvolvimento de currículos bem como a avaliação das necessidades institucionais em ambos os países. Ele é financiado pelo governo japonês e pela UNAIDS.