Educação e trabalho para os jovens são a chave do progresso africano, diz ONU

“Para a maioria dos jovens adultos da África, essa idade é um tempo de esperanças perdidas, frustração e exclusão política, econômica e social”, disse a Vice-Secretária-Geral da ONU, Asha-Rose Migiro

União AfricaAs Nações Unidas reforçaram hoje (30/06) o pedido para que os países africanos aumentem as políticas destinadas à juventude do continente, com incentivo à educação e oportunidades de emprego, já que cerca de 35% da população total do continente tem idade entre 15 e 35 anos.

“Para a maioria dos jovens adultos da África, essa idade é um tempo de esperanças perdidas, frustração e exclusão política, econômica e social”, disse a Vice-Secretária-Geral da ONU, Asha-Rose Migiro, aos Chefes de Estado presentes no encontro anual da União Africana, em Malabo, capital da Guiné Equatorial. “Se quisermos alcançar a paz e o desenvolvimento sustentável no continente, precisamos fortalecer a juventude africana”.

A Vice-Secretária-Geral lembrou que apenas 18 países membros da União Africana ratificaram os protocolos que proíbem a venda de crianças, a prostituição e a pornografia infantil. A ONU lançou uma campanha global para promover a ratificação universal dos protocolos que, em 2011, completam dez anos de existência.

Migiro também falou sobre o período de rápido crescimento econômico experimentado pelo continente nos últimos anos, com a expansão dos setores mineral e energético. “Para a África essa tem sido uma era de oportunidade. Nossa tarefa é garantir que seja uma era de oportunidade para todos”.