Economista holandês é nomeado vice-presidente do Banco Mundial para América Latina e Caribe

O economista holandês Axel van Trotsenburg, especialista em desenvolvimento com mais de 30 anos de experiência no Grupo Banco Mundial, foi nomeado vice‑presidente do organismo internacional para a região da América Latina e Caribe, cargo que ocupará a partir de 1º de fevereiro. Ele gerenciará as relações do banco com 31 países e uma carteira de projetos de cerca de 30 bilhões de dólares.

Axel van Trotsenburg durante coletiva de imprensa na Mongólia. Foto: Banco Mundial/Khasar Sandag

Axel van Trotsenburg durante coletiva de imprensa na Mongólia. Foto: Banco Mundial/Khasar Sandag

O economista holandês Axel van Trotsenburg, especialista em desenvolvimento com mais de 30 anos de experiência no Grupo Banco Mundial, foi nomeado vice‑presidente do organismo internacional para a região da América Latina e Caribe, cargo que ocupará a partir de 1º de fevereiro. Ele gerenciará as relações do banco com 31 países e uma carteira de projetos de cerca de 30 bilhões de dólares.

Trotsenburg retorna a uma região onde, de julho de 2007 a julho de 2009, foi diretor para Colômbia e México e, de 2002 a julho de 2007, diretor para Argentina, Chile, Paraguai e Uruguai. No início de sua carreira, também trabalhou como economista encarregado da Guatemala.

“Tenho o prazer de trabalhar mais uma vez na América Latina e Caribe para construir parcerias ainda mais fortes com os governos e a sociedade civil na região, a fim de promover o desenvolvimento sustentável e oportunidades para todos”, disse Van Trotsenburg. “O Banco Mundial está pronto para continuar a servir a região com a nossa experiência para enfrentar os atuais desafios em rápida evolução, tendo como foco principal a melhoria da vida das pessoas”.

Em uma época em que o enfraquecimento do crescimento mundial ameaça as economias da região, muitos países enfrentam os desafios de proteger os ganhos sociais conquistados nas últimas décadas e satisfazer as crescentes aspirações das pessoas, de acordo com o organismo internacional. Além disso, o êxodo maciço e sem precedentes de migrantes nos últimos anos aumentou a pressão sobre a recuperação econômica da região.

Para fazer face a esses e outros desafios, o Banco Mundial oferece um pacote abrangente de serviços, que engloba estudos e relatórios, trabalho de consultoria, assistência técnica e financiamento. Com o recém‑aprovado aumento de capital, o banco anunciou estar pronto para apoiar uma agenda ambiciosa.

“Com vistas ao futuro, o Banco Mundial está comprometido em investir pesadamente em infraestrutura e proteção social, além de saúde e educação para proteger e preparar melhor o capital mais importante da região: seu povo. O desenvolvimento sustentável e inclusivo continuará a ser uma prioridade, conforme refletido no programa do banco, que abarca, entre outras áreas, a mudança climática, o fortalecimento da governança e a expansão das oportunidades para todos”, de acordo com a instituição.

Van Trotsenburg trabalhou mais recentemente como vice-presidente de Financiamento do Desenvolvimento (DFi) do Banco Mundial, função em que supervisionava a mobilização estratégica de recursos para, entre outros, a Associação Internacional de Desenvolvimento (AID) e o Banco Internacional de Reconstrução e Desenvolvimento (BIRD), ambos parte do Grupo Banco Mundial, assim como a carteira de um fundo fiduciário de bilhões de dólares.

Foi um dos líderes dos esforços do grupo para obter um aumento de capital de 60 bilhões de dólares em abril de 2018 no BIRD. Além disso, esteve à frente das negociações de políticas e de dois processos de reabastecimento da AID, que juntos mobilizaram um montante sem precedentes de 125 bilhões de dólares para programas nos países mais pobres do mundo.

Além de ter trabalhado na gestão das finanças do Banco Mundial, Axel van Trotsenburg tem vasta experiência em operações nos países e na gestão de programas regionais. Antes de ocupar o cargo de vice-presidente da DFi, foi vice-presidente da região do Leste Asiático e Pacífico de 2013 a 2016.

De 1996 a 2001, foi o gestor sênior da Iniciativa para os Países Pobres Muito Endividados (HIPC, na sigla em inglês), o maior e mais abrangente programa de alívio da dívida para países pobres, que concedeu a 20 países pacotes de alívio da dívida em um montante aproximado de 30 bilhões de dólares.

Cidadão holandês e austríaco, van Trotsenburg é mestre e doutor em Economia e mestre em Relações Internacionais.

O vice-presidente anterior da América Latina e Caribe, Jorge Familiar, agora é o vice-presidente da Unidade de Finanças e Contabilidade (WFA) do Grupo Banco Mundial.