Ebola: OMS capacita equipes de saúde de 10 países africanos para defender-se dessa doença mortal

Na Libéria, parteiras atendem mãe e recém-nascido. Foto: UNFPA/Libéria

Especialistas de saúde de 10 países africanos estão reunidos em Brazzaville, capital da República do Congo, para fortalecer sua capacidade de controlar o surto de ebola. O seminário de três dias, que começou nesta terça-feira (26), é o primeiro de uma série de eventos que serão realizados no continente africano, organizados pela Organização Mundial da Saúde (OMS).

Entre os participantes estão aqueles que trabalham diretamente no setor de saúde, como médicos, enfermeiras e responsáveis de controle de infecções e também especialistas em comunicação, educação e mobilização social provenientes de Botsuana, Etiópia, Gana, Quênia, Namíbia, Ruanda, Tanzânia, Uganda, Zâmbia e Zimbábue. O seminário abordará temas relacionados à técnicas de monitoramento e gestão de dados, prevenção e controle da infecção, coleta de amostras e transporte, entre outros assuntos relevantes.

Na inauguração do evento, o diretor do grupo de imunização, vacinas e emergência do escritório regional da OMS, Deo Nshimirimana, disse que “apesar dos esforços feitos para controlar o vírus do ebola, o surto continua e o número de casos e mortes aumenta. Por isso, é uma ameaça para todos os países da África e do mundo”.

Além dos quatro países afetados – Libéria, Serra Leoa, Guiné e Nigéria – a OMS recebeu informação nesta terça-feira (26) de possíveis casos de ebola na República Democrática do Congo, onde 24 pessoas apresentaram sintomas de febre hemorrágica e 13 morreram. Mostras foram enviadas para o laboratório de Kinshasa, capital do país, e para o Gabão, para serem analisadas.

O controle feito com estes pacientes revela que nenhum deles viajou para áreas afetadas pelo ebola, o que levou a OMS a declarar que acredita que este surto na RDC não esteja relacionado com os demais da África Ocidental. Caso os exames comprovem a existência da doença no país, este seria o sétimo surto de ebola desde 1976.