Ebola deixa milhares de crianças órfãs na África Ocidental, alerta UNICEF

Francis tem 13 anos e perdeu seus pais, sua irmã e sua avó para o ebola em Serra Leoa. Foto: UNICEF/Jo Dunlop

O surto de ebola continua assolando a África Ocidental, causando cada vez mais mortes e deixando milhares de crianças órfãs, alertou nesta terça-feira (30) o Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF) .

Desde o começo deste ano, o ebola foi responsável pela perda de mais de 3 mil vidas e infectou mais de 6,5 mil pessoas em Guiné, Libéria e Serra Leoa. A rápida contaminação do vírus vem provocando pânico na região e fazendo com que as vítimas se tornem indesejadas nas comunidades locais.

De acordo com relatórios preliminares do UNICEF, as taxas de fatalidade nos três países continuam crescendo, o número de crianças órfãs alcançou seu auge nas últimas semanas e provavelmente vai dobrar até meados de outubro. A maioria delas não está recebendo os cuidados apropriados – nem mesmo de seus familiares – por conta do alto risco de contaminação que paralisa a população.

O UNICEF está acelerando sua reação à crise africana e vai implementar métodos novos e tradicionais para prover tratamento físico e emocional adequado. Dentre eles, estão o treinamento de 400 profissionais para assistência social e de saúde mental na Libéria e de 2,5 mil sobreviventes da doença – que se tornam imunes ao vírus – para oferecer os cuidados necessários às crianças em  quarentena em Serra Leoa. Cerca de 60 mil crianças em Guiné também vão receber suporte psicológico.

A Missão das Nações Unidas para a Emergência do Ebola (UNMEER) vem trabalhando no estabelecimento de sua base em Acra, capital de Gana, para guiar os esforços mundiais na contenção da disseminação da doença, junto a seus outros escritórios em Guiné, Libéria e Serra Leoa.

Recentemente, o governo do Brasil anunciou uma doação de US$ 450 mil, o equivalente a mais de R$ 1 milhão, para combater o ebola. O dinheiro irá reforçar as ações da OMS para conter a doença.