É preciso ouvir os marginalizados para alcançar um futuro melhor para todos, afirma da ONU

“Nosso sucesso impressionante em reduzir a pobreza para a metade não nos deve fazer esquecer o fato de que mais de 1,2 bilhão de pessoas ainda vivem na pobreza extrema em todo o mundo”, declara secretário-geral das Nações Unidas.

Mensagem do secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon, para o Dia Internacional para a Erradicação da Pobreza – 17 de outubro

Deslocados internos na Somália. Foto: ONU/Tobin Jones

“As celebrações deste ano do Dia Internacional para a Erradicação da Pobreza acontecem em um momento em que a comunidade internacional está voltada para duas metas: intensificar esforços para alcançar os Objetivos de Desenvolvimento do Milênio e formular o novo conjunto de objetivos, para orientar os nossos esforços quando o prazo dos ODM chegue ao fim em 2015. Esta agenda pós-2015 tem que colocar a erradicação da pobreza como sua maior prioridade e o desenvolvimento sustentável na sua essência. Porque a única maneira de tornar a erradicação da pobreza irreversível é colocando o mundo no caminho do desenvolvimento sustentável.

Temos muito trabalho pela frente. Enquanto os níveis de pobreza têm registrado quedas significativas, o progresso não tem acompanhado essa tendência. Nosso sucesso impressionante em reduzir a pobreza para a metade não nos deve fazer esquecer o fato de que mais de 1,2 bilhão de pessoas ainda vivem na pobreza extrema em todo o mundo.

Muitos, especialmente mulheres e meninas, veem seu acesso vedado a serviços de saúde e saneamento adequados, a uma educação de qualidade e ao direito a uma habitação digna. Muitos jovens estão desempregados e não têm qualificações para responder às exigências dos mercados. A desigualdade crescente  em muitos países, tanto pobres como ricos, está fomentando a exclusão de esferas econômicas, sociais e políticas e sabemos que os impactos das alterações climáticas e a perda da biodiversidade atingem os mais pobres com maior intensidade. Tudo isso mostra a necessidade de instituições fortes e com capacidade de resposta.

Precisamos fazer um esforço e ouvir e agir em nome daqueles cujas vozes não são geralmente ouvidas: pessoas vivendo na pobreza e em particular, os índios, as pessoas mais idosas, aqueles que vivem com deficiências, os desempregados, migrantes e minorias. Temos de apoiá-los em sua luta para fugir da pobreza e dessa forma construir melhores vidas para eles e suas famílias.

Se quisermos que o futuro que queremos seja para todos, temos de ouvir e prestar atenção aos apelos dos marginalizados. Ao longo do último ano, a ONU tem feito precisamente isso, liderando uma conversa global sem precedentes sobre o que as pessoas querem. Esse diálogo tem que continuar e levar à inclusão ativa e significativa as pessoas que vivem na pobreza, enquanto mapeamos um caminho para terminar com a pobreza em todos os lugares.

Juntos, podemos construir um mundo de prosperidade, paz, justiça e igualdade: uma vida digna para todos.”

Saiba mais sobre o Dia em http://bit.ly/2wFo6I