É necessário combater poluição do ar para salvar vidas e o planeta, diz chefe da ONU

Em uma mensagem para marcar o Dia Mundial do Meio Ambiente, celebrado nesta quarta-feira (5), o secretário-geral da ONU, António Guterres, enfatizou a ligação entre o agravamento dos níveis de poluição do ar e a crise climática.

Com o meio ambiente enfrentando “perigos sem precedentes”, causados pela atividade humana, o chefe da ONU disse que a ação para combater a mudança climática é “a batalha de nossas vidas”, que devemos vencer taxando a poluição, pondo fim aos subsídios para combustíveis fósseis e novas usinas de carvão.

Poluição do ar em Pequim. Foto: OMM

Em uma mensagem para marcar o Dia Mundial do Meio Ambiente, celebrado nesta quarta-feira (5), o secretário-geral da ONU, António Guterres, enfatizou a ligação entre o agravamento dos níveis de poluição do ar e a crise climática.

Além de provocar 7 milhões de mortes todos os anos e prejudicar o desenvolvimento das crianças, o chefe da ONU observou que muitos poluentes atmosféricos causam o aquecimento global, que ele descreveu como “uma ameaça existencial”.

Em sua mensagem de vídeo, o secretário-geral da ONU lembrou sua recente experiência nos Estados insulares do Pacífico Sul, os quais visitou no mês passado para mostrar solidariedade àqueles que sofrem com os piores efeitos da mudança climática. Guterres disse que viu em primeira mão os impactos severos e graves da emergência climática global.

Com o meio ambiente enfrentando “perigos sem precedentes”, causados pela atividade humana, o chefe da ONU disse que a ação para combater a mudança climática é “a batalha de nossas vidas”, que devemos vencer taxando a poluição, pondo fim aos subsídios para combustíveis fósseis e novas usinas de carvão.

China faz progressos significativos para combater a má qualidade do ar

O Dia Mundial do Meio Ambiente, amplamente celebrado em mais de 100 países, é o dia das Nações Unidas para incentivar a conscientização e a ação internacional para proteger o meio ambiente. O tema de 2019 é a poluição do ar, convocando governos, indústria, comunidades e indivíduos a tomar medidas para explorar a energia renovável e as tecnologias verdes, e melhorar a qualidade do ar em cidades e regiões em todo o mundo.

Todo Dia Mundial do Meio Ambiente tem um país anfitrião diferente: a anfitriã deste ano é a China, com a celebração oficial ocorrendo na cidade de Hangzhou, na presença de altos funcionários do governo chinês e de Joyce Msuya, diretora-executiva interina da ONU Meio Ambiente.

Embora o rápido desenvolvimento de muitas cidades chinesas tenha levado a má qualidade do ar e problemas de saúde associados a muitos cidadãos, o país fez avanços significativos no tratamento do problema nos últimos anos.

Na capital chinesa, Pequim, que se tornou quase sinônimo de poluição do ar, a concentração de partículas finas (os elementos minúsculos e mortais amplamente responsáveis ​​por mortes e doenças) no ar diminuiu em um terço nas últimas duas décadas, atingindo a meta estabelecida pelo Conselho de Estado, o principal órgão administrativo do país.

Falando ao UN News antes do Dia Mundial do Meio Ambiente, Tiy Chung, oficial de comunicação da Coalizão Clima e Ar Limpo da ONU Meio Ambiente, disse que Pequim está “mostrando o caminho”, levando a questão muito a sério e implementando políticas fortes. A cidade, disse ele, adotou uma abordagem sistemática baseada na boa ciência e coordenou com sucesso as cidades e regiões vizinhas.

Olhando para outras cidades e países, Chung está esperançoso de que o mundo está se movendo na direção certa. “Estamos chegando a uma mistura de boas políticas e tecnologias. A tecnologia inovadora de baixa emissão está na vanguarda de uma nova revolução impulsionada por políticas que pressionam por uma menor poluição do ar e pela descarbonização da economia”.


Comente

comentários