Doenças ligadas à alimentação representam mais risco que fome na Europa e Ásia Central, alerta FAO

A Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação (FAO) alerta que obesidade e doenças ligadas à dieta podem emergir como os maiores desafios para Europa e Ásia Central, enquanto a fome será um problema menor. Novo relatório mostra que, atualmente, a fome afeta menos de 5% da população na maior parte da região, embora ainda seja um problema no Cáucaso e Ásia Central.

O documento prevê que a porcentagem de pessoas vivendo na fome no Cáucaso e na Ásia Central vai cair de 9% para 2% até 2030. Destaca, ainda, que a mudança na dieta de cereais rumo ao alto consumo de carne e produtos lácteos pode elevar os fatores de risco por trás de doenças não transmissíveis.

A FAO afirma que os estilos de vida, a pobreza e o atendimento médico influem na obesidade e nas taxas de morte, e que esses riscos, se confirmadamente aumentarem, pressionarão mais as instituições de saúde nos países mais pobres da Ásia Central do que na Europa.