Documentos brasileiros da Guerra do Paraguai são reconhecidos pela UNESCO

Mapas, desenhos e documentos preservados por instituições brasileiras e uruguaias agora fazem parte do Programa Memória do Mundo, da UNESCO. Iniciativa reconhece acervos que relatem a história dos povos e que tenham valor universal.

Guerra contra o Paraguai levou a aliança entre Brasil, Argentina e Uruguai. Pintura de Pedro Américo. Foto: WikiCommons / Museu Nacional de Belas Artes

Guerra contra o Paraguai levou a aliança entre Brasil, Argentina e Uruguai. Pintura de Pedro Américo. Foto: WikiCommons / Museu Nacional de Belas Artes

Um acervo de desenhos, mapas e documentos da Guerra do Paraguai preservados por instituições brasileiras e uruguaias foi oficialmente reconhecido na quarta-feira (19) pelo Programa Memória do Mundo, da Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (UNESCO).

Chamado “A Guerra da Tríplice Aliança: representações cartográficas e iconográficas”, o conjunto reúne planificações cartográficas que nunca haviam saído dos arquivos do Exército brasileiro e do Itamaraty e que foram expostas pela primeira vez no Arquivo Nacional, durante a cerimônia de entrega do certificado de reconhecimento pela agência da ONU.

Entre os itens do acervo premiado que foram exibidos no evento, estavam também representações da paisagem e de personalidades do Paraguai, pertencentes à Marinha do Brasil e ao Museu Nacional de Belas Arte, bem como desenhos de comendas especialmente criadas para o conflito que haviam sido encontrados no Arquivo Nacional.

“Grande parte da memória do mundo espalhada por todo o planeta corre perigo atualmente ou não está acessível para o grande público”, explicou o representante da UNESCO no Brasil, Lucien Muñoz, que participou do evento no Arquivo Nacional, Rio de Janeiro.

“Esse é um título de reconhecimento da importância do conjunto de mapas e documentos referentes à Tríplice Aliança formada por Brasil, Argentina e Uruguai no período”, enfatizou. O Programa Memória do Mundo da UNESCO busca promover o acesso a documentos e acervos que relatem a história dos povos e que tenham valor universal. O objetivo é conscientizar o público sobre o valor do patrimônio e promover sua preservação.

O certificado da UNESCO foi concedido às nove entidades que inscreveram as obras para fazer parte da iniciativa da agência da ONU: Arquivo Histórico do Exército, Arquivo Nacional, Diretoria do Patrimônio Histórico e Documentação da Marinha, Fundação Biblioteca Nacional, Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro, Ministério das Relações Exteriores – Escritório de Representação no Rio de Janeiro (ERERIO), Museu Histórico Nacional, Museu Imperial e Museu Nacional de Belas Artes.

As duas instituições uruguaias que apresentaram a candidatura juntamente com as brasileiras já haviam recebido o certificado.