Documentário marca 10 anos da Declaração das Nações Unidas sobre os Direitos dos Povos Indígenas

AUMENTAR LETRA DIMINUIR LETRA

Para marcar os 10 anos da Declaração da ONU sobre os Direitos dos Povos Indígenas, o Centro de Informação das Nações Unidas para o Brasil (UNIC Rio) lança, no dia 12 de setembro, o documentário Guarani e Kaiowá: Pelo Direito de Viver no Tekoha, gravado em aldeias indígenas do Centro-Oeste do país.

O evento na Cinemateca do Museu de Arte Moderna (MAM) do Rio de Janeiro contará ainda com apresentação cultural de índios, exposição fotográfica e discussão sobre o tema. O evento é aberto ao público; saiba aqui como se inscrever.

Para marcar os 10 anos da Declaração da ONU sobre os Direitos dos Povos Indígenas, o Centro de Informação das Nações Unidas para o Brasil (UNIC Rio) lança, no dia 12 de setembro, o documentário Guarani e Kaiowa: Pelo Direito de Viver no Tekoha, gravado em aldeias indígenas do Centro-Oeste do país. O evento na Cinemateca do Museu de Arte Moderna (MAM) do Rio de Janeiro contará ainda com apresentação cultural de índios, exposição fotográfica e discussão sobre o tema com especialistas.

Com 46 artigos, a Declaração foi aprovada pela Assembleia Geral da ONU em 13 de setembro de 2007. O documento reconhece a necessidade de respeitar e promover os povos indígenas e prevê, entre outras coisas, que eles não serão removidos à força de suas terras e têm o direito de manter suas culturas. O documentário, com cerca de 20 minutos, foi filmado em aldeias indígenas de Mato Grosso do Sul, onde a questão das terras ainda é um desafio a ser superado e há iniciativas para manutenção das tradições e cultura das etnias locais. A expressão Viver Tekoha, que dá nome ao documentário, significa o modo de viver e ser guarani.

Além do documentário, o evento mostrará um curta, também produzido pela equipe UNIC Rio, gravado na Aldeia Mata Verde Bonita, em Maricá, onde o guarani é ensinado para as crianças. Indígenas da aldeia, da etnia Tupi-Guarani M’Bya , participam do evento com apresentações culturais. Fotos das visitas feitas às aldeias do Rio de Janeiro e do Mato Grosso do Sul serão exibidas no hall da Cinameteca até 30 de setembro.

Depois das projeções, o público terá a chance de ouvir especialistas sobre direitos, educação e cultura indígena. Participam da exposição sobre os temas José Ribamar Bessa Freire e Sandra Benites.

O professor José Ribamar Bessa Freire dá aulas de Pós-Graduação em Memória Social da Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro (UNIRIO), onde orienta pesquisas de doutorado e mestrado, e na Faculdade de Educação da UERJ, além de coordenar o Programa de Estudos dos Povos Indígenas. Bessa Freire dá cursos de formação de professores indígenas em diferentes regiões do Brasil e assessora na produção de material didático.

Sandra Benites é guarani, mestranda em Antropologia Social no Museu Nacional da UFRJ e tem experiência em educação escolar guarani. Sandra foi curadora da exposição “Dja Guata Porã” pelo Museu de Artes do Rio.

O evento é aberto ao público. Para participar, é necessário se inscrever em formulário online, disponível em https://goo.gl/forms/M2r0ROvlAog6bf8O2. As inscrições podem ser feitas até 17 horas do dia 11 de setembro.

Dez anos da Declaração da ONU sobre os Direitos dos Povos Indígenas
12 de setembro – 14h
Cinemateca do MAM – Rio de Janeiro
Av. Infante Dom Henrique, 85 – Parque do Flamengo
Classificação indicativa Livre

Informações para a imprensa:
UNIC Rio
Roberta Caldo – (21) 2253.2211 – (21) 98202.0171


Mais notícias de:

Comente

comentários